sicnot

Perfil

Economia

Justiça dos EUA pede 20 mil milhões de dólares de indemnizações à Volkswagen

As autoridades norte-americanas decidiram hoje processar judicialmente a construtora automóvel alemã Volkswagen e as suas marcas de gama alta Audi e Porsche, numa ação que reclama 20 mil milhões de dólares de indemnizações.

© Kim Kyung Hoon / Reuters

O Departamento de Justiça e a Agência do Ambiente dos Estados Unidos anunciaram a apresentação de uma queixa comum num tribunal do Michigan contra o grupo alemão, envolvido num escândalo de manipulação das emissões de gases dos seus automóveis.

As duas entidades norte-americanas acusam a Volkswagen de ter equipado 600.000 veículos diesel com um software que permitia "poluir excessivamente", sem que isso pudesse ser verificado, "enganando assim os consumidores e afetando a sua saúde", refere os documentos judiciários.

Esta ação cível é distinta do processo penal: o Ministério da Justiça dos EUA abriu um inquérito penal em paralelo.

Ao tribunal cível, o Departamento de Justiça e a Agência do Ambiente pedem uma indemnização por danos que pode chagar aos 20 mil milhões de dólares e o reembolso das despesas judiciais.

Em concreto, os dois reguladores norte-americanos esperam que a justiça imponha uma multa de pelo menos 32.500 dólares por cada veículo afetado.

A este valor somar-se-iam pelo menos 2.750 dólares por cada veículo por prejuízos causados pelo 'software' instalado.

A Volkswagen, o que gera um volume de negócios anual de 200 mil milhões de euros e emprega 600.000 pessoas, já provisionou seis mil milhões para eventuais acordos e multas.

"A queixa é uma primeira etapa para levar a Volkswagen à justiça, depois de o grupo ter escondido um software falsificador das emissões poluentes", disse Barbara McQuade, procurador do Estado do Michigan em comunicado.

"Os Estados Unidos vão recorrer a todos os meios apropriados contra a Volkswagen para reparação supostas violações das nossas leis sobre a qualidade do ar", acrescentou John Cruden, um dos vice-ministros da Justiça.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.