sicnot

Perfil

Economia

Mais de metade dos maquinistas do Metro de Lisboa escalados faltaram na última noite do ano

Mais de metade dos maquinistas do Metropolitano de Lisboa escalados para trabalhar na passagem do ano faltaram nessa noite, o que obrigou ao encerramento do troço Campo Grande--Odivelas, revelou hoje a holding Transportes de Lisboa.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Num comunicado enviado à agência Lusa, a holding que gere a rodoviária Carris, o Metro e a Transtejo (ligações fluviais) disse que a investigação que iniciou na segunda-feira ao "inesperado fenómeno de absentismo de maquinistas verificado na noite do dia 31 de dezembro de 2015" permitiu concluir que, a partir das 21:00, se registou uma taxa de absentismo de 61% dos profissionais que estavam escalados para essa noite.

"De salientar, ainda, que a taxa de absentismo referente a todo o dia 31 de dezembro, na ordem dos 28%, supera a média do ano (já de si elevada) de 13%", lê-se no texto.

Segundo a holding, no total faltaram durante todo o dia 31 de dezembro de 2015, nas quatro linhas do metro, cerca de 50 maquinistas.

A Lusa tentou saber quantos maquinistas existem no Metropolitano de Lisboa, mas fonte da empresa não conseguiu avançar com um número.

Só a partir da próxima semana é que a holding consegue determinar os motivos das faltas ao serviço devido aos "procedimentos e prazos de entrega de justificações de faltas em vigor na empresa".

No comunicado, a Transportes de Lisboa reitera junto dos trabalhadores, "do modo metro em especial, a importante missão inerente às profissões que abraçaram".

"Pese embora o transtorno pessoal e familiar que esta quadra festiva obriga a várias categorias profissionais de toda a sociedade, o serviço público desenvolvido pelos profissionais de diferentes áreas tem de ser garantido, sob pena de, colocando em causa os direitos de milhares de cidadãos, deixar de poder ser assim reconhecido", defende a holding.

Na noite de 31 de dezembro de 2015, a circulação na linha Amarela do metro foi interrompida entre as estações de Campo Grande e Odivelas a partir das 23:00 devido ao "absentismo de maquinistas", tendo a circulação regular sido retomada às 06:30 de 01 de janeiro.

Fonte da empresa esclareceu na altura à Lusa que o absentismo se verificou tanto pela não comparência inesperada de maquinistas, como pela dificuldade em gerir os pedidos de folga feitos para esta data, em vésperas de ano novo.

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), contactada pela agência Lusa, disse que esta situação se deve sobretudo a dois fatores: a saída de profissionais, nos últimos anos, sem que tenham sido repostos nos quadros, e a falta de diálogo com os órgãos representativos dos trabalhadores.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.