sicnot

Perfil

Economia

Angola cresce 3,3% este ano

A economia de Angola deverá crescer este ano menos de metade da expansão registada antes da descida dos preços do petróleo, abrandando de 6,8% em 2014, para 3% em 2015 e 3,3% este ano.

De acordo com as "Perspetivas Económicas Globais", do Banco Mundial, hoje divulgadas em Washington, Angola deverá acelerar ligeiramente a expansão económica este ano, passando de 3% em 2015 para 3,3%, este ano, o que representa um crescimento de menos de metade do período pré-crise petrolífera.

A previsão de evolução de 3,3% para a economia angolana está abaixo da perspetiva para o crescimento económico na África subsariana, que o Banco Mundial prevê que acelere de 3,4% em 2015 para 4,2% em 2016, ainda assim abaixo dos 4,6% registados em 2014.

Para o futuro, o panorama também não é risonho: "O ambiente económico global apresentar-se-á provavelmente menos favorável ao crescimento na África Subsaariana em anos futuros, à medida que uma redução nos preços das matérias-primas e condições financeiras mais constrangidas refreiam a atividade", diz o documento.

"A atividade económica na África Subsaariana abrandou para uma taxa de 3,4% em 2015, abaixo dos 4,6% do ano anterior, em resultado dos preços mais baixos das matérias-primas, de um abrandamento económico nos principais parceiros comerciais, graves dificuldades de infraestruturas, instabilidade política e escassez de energia elétrica", diz o relatório que nota que este foi "o resultado económico mais fraco da região, desde 2009".

O abrandamento do crescimento económico, afirma-se no documento, "foi mais pronunciado entre os exportadores de petróleo", nomeadamente Angola e Nigéria, os maiores exportadores da região, mas as perspetivas são moderadamente positivas, prevendo-se que "o crescimento económico na região poderá recuperar, atingindo 4,2% em 2016, à medida que os preços das matérias-primas estabilizam e o fornecimento de energia elétrica melhora em muitos países".

Sobre Angola especificamente, o relatório do Banco Mundial nota que, "prevendo-se que os preços do petróleo se manterão baixos, as receitas fiscais irão provavelmente declinar em Angola e na Nigéria, criando défices".

Em Moçambique, cuja previsão de crescimento aponta para uma ligeira aceleração de 6,3% em 2015 para 6,5% este ano, o Banco Mundial diz que "em alguns países exportadores de matérias-primas, prevê-se que alguns governos invistam largamente em infraestruturas de energia e transportes, recorrendo a emissões de títulos, como no caso da Etiópia, parcerias público-privadas, como em Moçambique, Ruanda e Tanzânia, e a financiamento da China".

Entre os riscos que a região enfrenta este ano, o Banco Mundial aponta o terrorismo e sublinha que "novas baixas do preço do petróleo reduziriam o orçamento dos governos nos países produtores e, um abrandamento, mais rápido que o esperado, na China, poderia fazer subir a pressão dos preços das matérias-primas o que, por seu turno poderia atrasar investimentos planeados em setores de recursos naturais".

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.