sicnot

Perfil

Economia

Taxa de desemprego em novembro ficou em 12,4%

A taxa de desemprego manteve-se inalterada em novembro face ao mês anterior, nos 12,4%, segundo a estimativa provisória divulgada hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

"A estimativa provisória da taxa de desemprego para novembro de 2015 situa-se em 12,4%, mantendo-se inalterada face à estimativa definitiva obtida para outubro de 2015", refere o gabinete de estatísticas.

A estimativa provisória da população desempregada para novembro, por sua vez, é de 636,9 mil pessoas, o que representa um acréscimo de 0,5% face ao valor definitivo obtido para outubro de 2015 (mais três mil pessoas).

De acordo com o INE, a taxa de desemprego das mulheres (de 12,7%) excedeu a dos homens (de 12,2%) em 0,5 pontos percentuais, com ambas a aumentarem 0,1 pontos percentuais face ao mês anterior.

A taxa de desemprego dos jovens, por sua vez, situou-se em 31,8%, tendo diminuído 0,1 pontos percentuais em relação ao mês anterior, enquanto a taxa dos adultos situou-se em 10,8%, tendo-se mantido inalterada em relação ao mês anterior.

Em novembro de 2015, a estimativa provisória da taxa de desemprego não ajustada de sazonalidade foi de 12,6%, tendo aumentado 0,1 pontos percentuais face ao mês anterior e diminuído 1,0 pontos percentuais, relativamente a novembro de 2014.

Segundo o INE, a estimativa provisória da população empregada é de 4,49 milhões de pessoas, menos 1,9 mil do que no mês anterior, o que corresponde uma variação relativa quase nula.

Nestas estimativas foi considerada a população dos 15 aos 74 anos e os valores foram previamente ajustados de sazonalidade.

Com Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.