sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores da Unicer querem reunião urgente com o ministro da Economia

A Comissão de Trabalhadores (CT) da Unicer alertou hoje para a urgência de uma reunião com o ministro da Economia, para o questionarem sobre as obrigações da empresa face aos fundos comunitários de que usufruiu nos últimos anos.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

De acordo com um comunicado da CT, os trabalhadores foram surpreendidos pela antecipação do encerramento da fábrica de Santarém para 31 de janeiro e consideram que esta decisão pode ter sido tomada anteriormente e anunciada agora por motivos estratégicos.

A Unicer anunciou na quinta-feira a antecipação do encerramento da fábrica de Santarém para 31 de janeiro, três meses mais cedo do que o previsto, garantindo no entanto o pagamento de salários dos 70 trabalhadores até abril.

Depois de ter ouvido hoje os trabalhadores, a CT da Unicer salientou o caráter de urgência das audiências pedidas ao Ministério da Economia com o objetivo de indagar "acerca das garantias e contrapartidas assumidas pela Unicer para usufruto dos fundos comunitários que, nos últimos anos (...), ascendem a mais de 60 milhões de euros".

A CT contactou os eurodeputados portugueses para que, com o mesmo objetivo, esclarecessem esta matéria junto da Comissão Europeia e as deputadas Inês Zuber, do PCP, e Ana Gomes, do PS, já remeteram a pergunta ao executivo comunitário.

"Salientamos ainda a preocupação desta CT sobre a justiça dos benefícios fiscais concedidos à Unicer nos últimos anos nomeadamente no que concerne à criação de emprego", diz o comunicado.

A Unicer divulgou quinta-feira, em comunicado, que as 70 pessoas envolvidas já foram informadas, bem como as suas entidades representativas, adiantando que irá salvaguardar os compromissos assumidos com os trabalhadores.

Além da retribuição salarial até 30 de abril, a empresa manterá a "manutenção dos valores de prémio de operação, ou seja, equivalente ao que seria atribuído considerando 30 de abril de 2016 como a data de descontinuação da operação".

A empresa mantém também "o plano de mobilidade interna que prevê a recolocação de até 10 colaboradores na estrutura global da empresa, se se manifestarem disponíveis para tal", indicando que "o novo parceiro está disponível para receber 25 pessoas, reduzindo, desta forma, em 50% o impacto do ponto de vista de empregabilidade".

A Unicer admite que, "apesar de ser difícil", o encerramento da fábrica de refrigerantes de Santarém "é indispensável para a eficiência e competitividade" da empresa, numa "conjuntura de forte instabilidade económica dos mercados internacionais, designadamente Angola, onde a empresa realiza uma boa parte dos seus negócios fora de Portugal".

Em meados de dezembro, a cervejeira concluiu a primeira fase do processo de reajustamento anunciado em outubro, tendo chegado a acordo indemnizatório com 65 trabalhadores da estrutura central e de apoio ao negócio, justificando a descontinuidade da unidade industrial de refrigerantes com a baixa taxa de produção (abaixo dos 30%).

Para a CT, a decisão da empresa anunciada em outubro "representa uma mera opção estratégica e economicista", pois a fábrica de Santarém teve em 2014 "ganhos líquidos económicos que contribuem também para os resultados globais".

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.

  • O edifício mais longo do mundo

    Mundo

    Se pensa que já viu tudo em relação aos edifícios mais longos e complexos do mundo, pense duas vezes. O edifício mais longo do mundo pode estar prestes a chegar e promete fazer de Nova Iorque uma cidade ainda mais atrativa.