sicnot

Perfil

Economia

Fesap admite juntar-se à greve de 29 de janeiro

A Federação dos Sindicatos da Administração Pública (Fesap) admite juntar-se à Federação da CGTP na greve de dia 29 caso o Governo não assuma quarta-feira o compromisso de repor de imediato as 35 horas semanais na administração pública.

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

"Se na reunião de quarta-feira, o Governo não assumir um compromisso de repor o mais cedo possível o horário de trabalho de 35 horas, o fim da requalificação e a correção dos salários mais baixos, equacionamos juntar-nos à greve de dia 29 anunciada pela Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas", disse à Lusa o dirigente da Fesap, José Abraão.

O sindicalista salientou a importância da unidade na ação, "por se tratar de questões muito importantes para os trabalhadores da administração pública".

A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas anunciou hoje uma greve nacional da administração central para 29 de janeiro, caso o Governo não recue na data de entrada em vigor das 35 horas na administração pública.

"O que está aprovado na Federação é uma greve nacional da administração central para o dia 29 de janeiro caso as propostas das 35 horas não sejam aprovadas no dia 15 [de janeiro] e se o PS não retirar a sua proposta que prevê a entrada em vigor [das 35 horas] em julho", disse à Lusa a coordenadora da Federação, Ana Avoila.

A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas entregou hoje, no parlamento, um abaixo-assinado pela reposição das 35 horas de trabalho semanais na administração pública que contou com mais de 40 mil assinaturas, segundo Ana Avoila.

Já no passado dia 23 de dezembro, a Federação, afeta à CGTP, entregou no parlamento pareceres favoráveis aos projetos de lei do PCP e do PEV sobre a reposição das 35 horas semanais de trabalho, tendo o BE e o PS entregue também projetos de lei sobre a matéria.

A diferença entre as propostas reside na sua entrada em vigor, uma vez que o objetivo é o mesmo: a reposição das 35 horas.

O BE e o PEV propõem a entrada em vigor da medida cinco dias após a sua publicação, enquanto o PCP propõe 30 dias após a sua publicação. Já a proposta do PS propõe a reposição das 35 horas a 01 de julho deste ano, o que a Federação contesta.

O programa do novo Governo prevê a eliminação das restrições à contratação na administração pública e o regresso às 35 horas semanais de trabalho, desde que as medidas não impliquem "aumento dos custos globais com pessoal".

A promessa do executivo de António Costa permitirá que toda a administração pública regresse às 35 horas, já adotadas por muitas autarquias, depois de o primeiro governo de Passos Coelho (PSD/CDS-PP) ter sido obrigado a publicar os acordos coletivos de entidade empregadora pública (ACEEP) que decidira reter.

O Governo e as estruturas sindicais da administração pública vão reunir-se na próxima quarta-feira.

Lusa

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Donald Trump já está no Vaticano 
    1:32