sicnot

Perfil

Economia

Rede social Twitter paralisada mais de uma hora em vários países

A rede social Twitter voltou à normalidade, depois de ter sofrido um "apagão" de mais de uma hora, que impossibilitou que milhares de utilizadores por todo o mundo acedessem ao serviço a partir do telemóvel ou computador.

© Stephen Lam / Reuters

"Alguns utilizadores estão a ter problemas para aceder ao Twitter. Estamos conscientes da situação e estamos a trabalhar para encontrar uma solução", indicou o departamento de suporte da tecnológica norte-americana ao início da manhã.

O serviço deixou de funcionar minutos depois das 09:00 (10:00 em Lisboa), com a versão móvel do Twitter a deixar de atualizar os conteúdos da cronologia e a versão para o computador a mostrar uma mensagem de erro.

Questionado pela agência France Presse (AFP), o porta-voz do Twitter na Europa confirmou as dificuldades, sem precisar qual o problema que afetou a rede social, nem quanto tempo levaria até à sua completa resolução.

O serviço conta com 300 milhões de utilizadores em todo o mundo.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.