sicnot

Perfil

Economia

Christine Lagarde conta com vários apoios para um segundo mandato

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou hoje que vai designar o próximo diretor-geral "até ao início de março" e Christine Lagarde, que deverá recandidatar-se, pode contar com apoios importantes.

Reuters

Reuters

© Handout . / Reuters

As candidaturas devem ser apresentadas a partir de hoje e até 10 de fevereiro e o Conselho de Administração do Fundo, que representa os 188 Estados-membros, espera fazer a escolha final "até 03 de março" numa base de "consenso", indicou a instituição em comunicado.

Lagarde, que foi nomeada em julho de 2011 para um mandato de cinco anos à frente do FMI, já afirmou que está "aberta" à ideia de disputar num novo mandato, depois de ter sucedido a Dominique Strauss-Kahn, envolvido num escândalo sexual.

O secretário do Tesouro norte-americano, Jak Lew, afirmou hoje em entrevista ao canal de televisão CNBC que "tem grande estima" por Lagarde.

"Penso que fez um excelente trabalho e espero poder continuar a trabalhar com ela", afirmou em Davos.

Questionado sobre se vai apoiar a sua candidatura, indicou: "há muita gente que deve pronunciar-se ainda, estou apenas a dar a minha opinião e vou ficar por aqui".

O ministro das Finanças britânico, George Osborne, referiu que "gostaria muito de apoiar Lagarde para um novo mandato à frente do FMI" e elogiou a "visão e sagacidade" da atual diretora-geral do Fundo.

A Alemanha também manifestou apoio a Lagarde pela voz do ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, que elogiou a sua atuação "num momento difícil após a crise financeira", considerando que "deu um contributo essencial para a boa reputação do FMI".

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, à margem do Fórum Económico de Davos, deu igualmente apoio a Lagarde.

"Tudo o que posso dizer hoje é que as autoridades francesas apoiam e têm grande confiança em Christine Lagarde", declarou Valls aos jornalistas.

Em dezembro, um tribunal francês decidiu que Lagarde deveria responder na justiça pelo seu papel no caso que envolveu o Crédit Lyonnais e o empresário Bernard Tapie, quando era ministra da Economia em França, mas a diretora-geral do FMI recorreu da decisão.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.