sicnot

Perfil

Economia

Christine Lagarde conta com vários apoios para um segundo mandato

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou hoje que vai designar o próximo diretor-geral "até ao início de março" e Christine Lagarde, que deverá recandidatar-se, pode contar com apoios importantes.

Reuters

Reuters

© Handout . / Reuters

As candidaturas devem ser apresentadas a partir de hoje e até 10 de fevereiro e o Conselho de Administração do Fundo, que representa os 188 Estados-membros, espera fazer a escolha final "até 03 de março" numa base de "consenso", indicou a instituição em comunicado.

Lagarde, que foi nomeada em julho de 2011 para um mandato de cinco anos à frente do FMI, já afirmou que está "aberta" à ideia de disputar num novo mandato, depois de ter sucedido a Dominique Strauss-Kahn, envolvido num escândalo sexual.

O secretário do Tesouro norte-americano, Jak Lew, afirmou hoje em entrevista ao canal de televisão CNBC que "tem grande estima" por Lagarde.

"Penso que fez um excelente trabalho e espero poder continuar a trabalhar com ela", afirmou em Davos.

Questionado sobre se vai apoiar a sua candidatura, indicou: "há muita gente que deve pronunciar-se ainda, estou apenas a dar a minha opinião e vou ficar por aqui".

O ministro das Finanças britânico, George Osborne, referiu que "gostaria muito de apoiar Lagarde para um novo mandato à frente do FMI" e elogiou a "visão e sagacidade" da atual diretora-geral do Fundo.

A Alemanha também manifestou apoio a Lagarde pela voz do ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, que elogiou a sua atuação "num momento difícil após a crise financeira", considerando que "deu um contributo essencial para a boa reputação do FMI".

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, à margem do Fórum Económico de Davos, deu igualmente apoio a Lagarde.

"Tudo o que posso dizer hoje é que as autoridades francesas apoiam e têm grande confiança em Christine Lagarde", declarou Valls aos jornalistas.

Em dezembro, um tribunal francês decidiu que Lagarde deveria responder na justiça pelo seu papel no caso que envolveu o Crédit Lyonnais e o empresário Bernard Tapie, quando era ministra da Economia em França, mas a diretora-geral do FMI recorreu da decisão.

Lusa

  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Lançamento de balões no São João do Porto em risco

    País

    Lançar balões nas festas do São João do Porto pode não ser possível este ano, tudo irá depender das condições atmosféricas. A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural admitiu, esta quarta-feira, que está a acompanhar a situação mas que ainda nada está decidido.