sicnot

Perfil

Economia

Christine Lagarde conta com vários apoios para um segundo mandato

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou hoje que vai designar o próximo diretor-geral "até ao início de março" e Christine Lagarde, que deverá recandidatar-se, pode contar com apoios importantes.

Reuters

Reuters

© Handout . / Reuters

As candidaturas devem ser apresentadas a partir de hoje e até 10 de fevereiro e o Conselho de Administração do Fundo, que representa os 188 Estados-membros, espera fazer a escolha final "até 03 de março" numa base de "consenso", indicou a instituição em comunicado.

Lagarde, que foi nomeada em julho de 2011 para um mandato de cinco anos à frente do FMI, já afirmou que está "aberta" à ideia de disputar num novo mandato, depois de ter sucedido a Dominique Strauss-Kahn, envolvido num escândalo sexual.

O secretário do Tesouro norte-americano, Jak Lew, afirmou hoje em entrevista ao canal de televisão CNBC que "tem grande estima" por Lagarde.

"Penso que fez um excelente trabalho e espero poder continuar a trabalhar com ela", afirmou em Davos.

Questionado sobre se vai apoiar a sua candidatura, indicou: "há muita gente que deve pronunciar-se ainda, estou apenas a dar a minha opinião e vou ficar por aqui".

O ministro das Finanças britânico, George Osborne, referiu que "gostaria muito de apoiar Lagarde para um novo mandato à frente do FMI" e elogiou a "visão e sagacidade" da atual diretora-geral do Fundo.

A Alemanha também manifestou apoio a Lagarde pela voz do ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, que elogiou a sua atuação "num momento difícil após a crise financeira", considerando que "deu um contributo essencial para a boa reputação do FMI".

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, à margem do Fórum Económico de Davos, deu igualmente apoio a Lagarde.

"Tudo o que posso dizer hoje é que as autoridades francesas apoiam e têm grande confiança em Christine Lagarde", declarou Valls aos jornalistas.

Em dezembro, um tribunal francês decidiu que Lagarde deveria responder na justiça pelo seu papel no caso que envolveu o Crédit Lyonnais e o empresário Bernard Tapie, quando era ministra da Economia em França, mas a diretora-geral do FMI recorreu da decisão.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18