sicnot

Perfil

Economia

Novo diretor-geral do FMI vai ser nomeado até início de março

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou na quarta-feira que vai nomear o seu próximo diretor-geral até ao início de março, um cargo a que Christine Lagarde se vai recandidatar.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Kim Kyung Hoon / Reuters

As candidaturas devem ser apresentadas a partir de hoje e até 10 de fevereiro e o Conselho de Administração do FMI, que representa os 188 estados-membros, deverá anunciar a sua escolha final "até 03 de março", com base em "consenso", referiu, em comunicado, a instituição.

Nomeada em julho de 2011 como diretora-geral do FMI, Christine Lagarde já disse estar "aberta" à ideia de se recandidatar.

No comunicado, o FMI disse esperar um processo "aberto, transparente e baseado no mérito".

Segundo uma regra tácita, os europeus designam a chefia do FMI, enquanto aos norte-americanos fica reservada a presidência do Banco Mundial.

Lusa

  • Diretora do FMI recebida pelo Papa Francisco no Vaticano

    Mundo

    A diretora do Fundo Monetário Internacional foi hoje recebida pelo Papa Francisco. O encontro na biblioteca do Vaticano entre Christine Lagarde e o líder da Igreja Católica durou alguns minutos, o suficiente para uma curta conversa e troca de lembranças. Esta visita de Lagarde acontece numa altura em que uma agência europeia criticou a igreja pela forma como lidou com as suspeitas de crimes financeiros no banco do Vaticano.

  • Espanha e Portugal a um ponto dos oitavos

    Mundial 2018 / Irão

    A Espanha colocou-se esta quarta-feira a um ponto dos oitavos de final do Mundial 2018 e deixou Portugal em situação idêntica, ao vencer o Irão por 1-0, em jogo do grupo B, disputado em Kazan.

  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Lançamento de balões no São João do Porto em risco

    País

    Lançar balões nas festas do São João do Porto pode não ser possível este ano, tudo irá depender das condições atmosféricas. A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural admitiu, esta quarta-feira, que está a acompanhar a situação mas que ainda nada está decidido.