sicnot

Perfil

Economia

Concorrência espanhola pede eliminação de restrições a veículos de aluguer com condutor

A autoridade da concorrência espanhola requereu ao Governo de Espanha que elimine da lei restrições ao transporte de passageiros em veículos de aluguer com condutor, como os utilizados pela aplicação informática Uber, sob pena de recorrer aos tribunais.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

© Andrea Comas / Reuters

Num comunicado enviado à imprensa, a Comissão Nacional Mercados e Concorrência (CNMC), correspondente à autoridade da Concorrência portuguesa, informou que enviou ao Conselho de Ministros, a 14 de janeiro, um requerimento que pede a anulação de vários artigos de um decreto-lei aprovado pelo ministério responsável pelos transportes em Espanha, considerando que "incluem numerosas restrições à concorrência".

A CNMC considera que a lei "limita a entrada e a capacidade de concorrência dos veículos de aluguer com condutor (VTC)", como os da Uber, "reduz a concorrência no mercado de transporte urbano de passageiros e protege o regime de monopólio dos serviços de táxi, travando a inovação no setor".

Segundo o comunicado, o decreto-lei "limita substancialmente a entrada no mercado de transportes urbanos de passageiros" de veículos de aluguer com condutor, já que permite à administração pública negar autorizações de operação aos VTC segundo o seu critério ou de forma automática "quando exista mais de uma autorização de VTC por cada trinta licenças de táxi".

"Impede que os táxis e os VTC compitam entre si e que os consumidores possam beneficiar de uma maior disponibilidade de veículos, um menor tempo de espera e uma maior competição em preços, qualidade e inovação", esclareceu.

Entre os principais obstáculos à concorrência, a autoridade destaca ainda que deveriam ser eliminados os artigos que estabelecem a obrigação prévia de contratar os serviços de VTC, proibindo que circulem com passageiros sem um contrato de aluguer e impedindo que possam oferecer os seus serviços circulando nas vias públicas em busca de clientes, tal como os táxis, além de outros requisitos de carácter técnico.

"Todas estas restrições são contrárias aos princípios de regulação económica eficiente" estabelecidos na lei espanhola, "de garantia da unidade do mercado, carecem de justificação económica, criam obstáculos à concorrência efetiva no transporte urbano de passageiros em todo o território nacional", além de serem "especialmente gravosos no atual momento de rápida inovação no setor, que seria travada" por esta norma, acrescentou.

Caso o Governo não aceite o requerimento, a CNMC "impugnará nos tribunais este Decreto, para conseguir que estas restrições possam ser eliminadas do marco normativo e aumentar o bem-estar geral", alertam.

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.