sicnot

Perfil

Economia

Assunção Cristas classifica Orçamento como "ficção" digna de um "Óscar"

A candidata à presidência do CDS/PP Assunção Cristas disse esta terça-feira em Leiria que o Orçamento do Estado é uma "ficção", na primeira sessão da volta designada "unidos para vencer", na qual irá ouvir os militantes.

A candidata à presidência do CDS disse que "se houvesse 'Óscares' na política, certamente que haveria duas nomeações claras para o 'Óscar' da melhor ficção, que seriam o primeiro-ministro e o ministro das Finanças". E Assunção Cristas acredita que "eles ganhariam". (Arquivo)

A candidata à presidência do CDS disse que "se houvesse 'Óscares' na política, certamente que haveria duas nomeações claras para o 'Óscar' da melhor ficção, que seriam o primeiro-ministro e o ministro das Finanças". E Assunção Cristas acredita que "eles ganhariam". (Arquivo)

Lusa

"Parece uma ficção no cenário macroeconómico. Parece uma receita igual à que já conhecemos: 'pode ser que dê'. Mas, na verdade, quando olhamos para as entidades internacionais e para as agências, o que dizem: 'cuidado, é excessivamente otimista, não é realista, não é fidedigno', então podemos estar a ver um filme que já conhecemos muito bem", disse Assunção Cristas na primeira parte do seu discurso, aberto à comunicação social.

A candidata à presidência do CDS acrescentou que "se houvesse 'Óscares' na política, certamente que haveria duas nomeações claras para o 'Óscar' da melhor ficção, que seriam o primeiro-ministro e o ministro das Finanças". E Assunção Cristas acredita que "eles ganhariam".

Para a ex-ministra, a vitória "clara e inequívoca" de Marcelo Rebelo de Sousa na eleição para a Presidência da República é uma resposta do povo.

"Esse voto rejeitou aquilo que alguns já davam como adquirido, que era que o povo português está confortável e gosta desta lógica da esquerda toda junta. Isso não aconteceu. Marcelo Rebelo de Sousa foi eleito de forma clara, inequívoca e permitiu-nos recentrar e reequilibrar o espaço político", sublinhou.

Considerando que "ninguém sabe" quando haverá eleições legislativas, Assunção Cristas lembrou que já estão marcadas as eleições para a Região Autónoma dos Açores e para as autárquicas, em 2017.

"Por isso, enquanto CDS, temos de nos preparar desde o primeiro momento para sermos a melhor solução quando for o momento de os portugueses se pronunciarem nas urnas", salientou, prometendo uma "oposição muito forte e construtiva" no sentido de "desmontar o trabalho que está a ser desfeito pelo governo neste momento".

Enumerando as várias alterações na Saúde e Educação que o governo de António Costa tem realizado, Assunção Cristas disse querer "interromper a meio" um "filme" que já conhece, porque não quer "sequer pensar em voltar a fazer os portugueses passar por aquilo que passaram".

Assunção Cristas foi a Leiria para "sentir as preocupações e prioridades" dos militantes e "construir uma moção com um tronco comum".

A candidata afirmou ainda que o CDS é um partido que "quer crescer". "Orgulhamo-nos da nossa história, orgulhamo-nos do legado do Dr. Paulo Portas, mas queremos olhar em frente, crescer e chegar a todos os eleitores."

Por isso, Assunção Cristas convidou ainda os militantes a trazerem "alguém mais curioso, com vontade de se aproximar", pois é "muito bem-vindo".

"O nosso partido é aberto e disponível para acolher outros desde a primeira hora", acrescentou, garantindo que só se candidatou à liderança do partido depois de saber que "não seria responsável por qualquer divisão" do CDS.

Assunção Cristas prometeu ainda um CDS como uma "alternativa muito sólida e robusta".

Lusa

  • Défice recua quase 400 milhões de euros em janeiro

    Economia

    O buraco das contas públicas atingiu os 625 milhões de euros no primeiro mês de 2017, segundo os dados da execução orçamental. É uma redução de 397 milhões, quando comparado com o mesmo mês do ano passado.

    Em desenvolvimento

  • "Fiz coisas de que me envergonho"
    2:31
  • Portugal é o segundo país da Europa com mais emigrantes
    1:39

    País

    São 2,3 milhões os portugueses que vivem no estrangeiro, ou seja, 22% da população. O último relatório do Observatório da Emigração relativo a 2015 mostra que se manteve o mesmo número de saídas de Portugal para o estrangeiro registadas no pico atingido em 2013: acima das 110 mil por ano. O Reino Unido é o principal país de destino.

  • Descoberta produção de canábis em abrigo nuclear 

    Mundo

    A polícia britânica descobriu, no sul de Inglaterra, um antigo abrigo nuclear subterrâneo adaptado à produção de canábis em grande escala. A operação levou à detenção de cinco homens e um adolescente de 15 anos. Foram também apreendidas milhares de plantas de canábis.

  • Carnaval na Almirante Reis
    2:39

    País

    Lisboa também celebra o Carnaval e esta manhã mais de três mil crianças participaram num desfile pela Avenida Almirante Reis, alunas de escolas públicas e privadas de 24 nacionalidades. Na freguesia de Arroios vivem estrangeiros de 79 nacionalidades.