sicnot

Perfil

Economia

Nicolás Maduro vai pedir ajuda para enfrentar crise económica na Venezuela

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, viajou hoje ao Equador, onde pedirá ajuda aos países membros da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) para enfrentar a crise económica no seu país.

© Handout . / Reuters

"Venho apresentar um conjunto de propostas para, desde a América Latina, se enfrentar a emergência económica da Venezuela", disse aos jornalistas, à chegada a Quito, onde vai participar na IV Cimeira de chefes de Estado e de Governo da Celac.

Segundo Nicolás Maduro a Venezuela entrou num "período de turbulência económica", devido à queda dos preços do petróleo, apostando no entanto em manter as políticas sociais e o rumo de crescimento e igualdade.

"Há um balanço positivo desta década que está em curso. Estamos a entrar em situações difíceis. Declarei uma emergência económica para fortalecer o (que é) social, para defender os direitos sociais do povo e para iniciar um novo modelo económico produtivo", explicou.

Com 107 votos contra (da oposição) e 53 a favor, o parlamento venezuelano chumbou no passado dia 22 o Decreto de Emergência Económica assinado por Nicolás Maduro para enfrentar a crise económica no país.

O decreto presidencial, que teria uma duração inicial de 60 dias prorrogáveis e foi declarado constitucional pelo Supremo Tribunal de Justiça, deverá agora ser devolvido ao chefe de Estado para ser reformulado.

Segundo a oposição, que tem a maioria no parlamento, a aprovação do decreto de emergência poderia agravar a crise, por não abordar com precisão matérias políticas, financeiras e cambiais.

Por outro lado, alegam que não foram publicados dados oficiais sobre os índices económicos e que o decreto facilita a possibilidade de apropriação indevida de fundos, autoriza a opacidade fiscal, não protege o gasto social e poderia servir para atacar algumas empresas privadas.

O decreto, segundo o Governo venezuelano visa combater a "guerra económica" e "construir uma Venezuela produtiva e independente", além de enfrentar a conjuntura criada pela queda dos preços do petróleo, a principal fonte de receitas, em moeda estrangeira, do país.

Lusa

  • "Não vou ceder, não vou render-me, não vou desistir da candidatura"
    2:02
  • Obama, Presidente francês?
    1:55

    Mundo

    A resposta é óbvia, mas não demoveu quatro franceses, descontentes com os candidatos às Presidenciais no seu país. A ideia começou como brincadeira, mas já recolheu 43 mil assinaturas. 

  • Trump apanhado a ensaiar no carro
    1:08
  • Mulheres democratas de branco para mostrar que não abdicam dos diretos conquistados

    Mundo

    Uma "mancha branca" sobressaiu esta terça-feira no Congresso norte-americano, durante o primeiro discurso de Donald Trump. A maioria das 66 mulheres representantes e delegadas do Partido Democrata vestiram-se de branco, num ato simbólico a fazer recordar o movimento sufragista feminino, que encorajava as apoiantes a vestirem-se de branco. Tal como então, a cor da pureza foi agora recuperada, desta feita para mostrar a Trump que as mulheres não abdicam dos direitos conquistados no início do século XX.

  • Treinador do "The Biggest Loser" teve ataque cardíaco

    Mundo

    Foi o próprio Bob Harper que partilhou a notícia no seu Instagram. O ex-treinador do famoso programa de televisão sofreu um ataque cardíaco enquanto treinava no ginásio. Esteve oito dias internado mas, felizmente, já está em casa a recuperar.

  • Prisões recebem manual para lidar com fugas
    2:07

    País

    O Governo vai fazer o maior investimento de sempre nos serviços prisionais. São 2.600 milhões de euros para reforçar a segurança nas prisões. Entretanto. já foi distribuído um manual de procedimentos em caso de fuga.