sicnot

Perfil

Economia

Reserva Federal norte-americana mantém taxas de juro inalteradas

A Reserva Federal (Fed) norte-americana decidiu hoje manter inalteradas as taxas de juro de referência, entre os 0,25% e os 0,50%.

© Jonathan Ernst / Reuters

Em comunicado hoje emitido, após a reunião de dois dias do comité de política monetária, a Fed argumenta a decisão com o facto de o crescimento económico se ter mantido "moderado" nos Estados Unidos e considerando que a inflação vai continuar baixa "no curto prazo".

A Fed espera que "a inflação se mantenha baixa no curto prazo, em parte devido às maiores descidas dos preços da energia", antecipando que este indicador permaneça ainda distante do objetivo de médio prazo, de 2%.

Na reunião anterior, em dezembro, o banco central norte-americano tinha qualificado o crescimento económico do país como "sólido", pelo que a alteração de linguagem supõe um reconhecimento do abrandamento económico.

Relativamente à evolução das taxas de juro, que subiu em dezembro pela primeira vez desde 2006, o Comité Federal do Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) da Fed reiterou que espera que "as condições económicas evoluam de maneira a que sejam exigidos apenas incrementos graduais".

A instituição liderada por Janet Yellen evitou dar referências concretas à recente volatilidade registada dos mercados norte-americanos e chineses, adiantando simplesmente que "está a vigiar de perto os acontecimentos económicos e financeiros globais".

A votação sobre o comunicado hoje divulgado foi unânime, tendo havido 10 votos a favor e nenhum contra.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.