sicnot

Perfil

Economia

Governo enfrenta amanhã primeira greve na administração central

O Governo enfrenta na amanhã a primeira greve, na administração central e estabelecimentos fabris das Forças Armadas, mas os primeiros efeitos da paralisação vão sentir-se ao início da noite de hoje no setor da saúde.

(arquivo)

(arquivo)

TIAGO PETINGA

A reposição imediata do horário semanal de 35 horas levou a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses e o Sindicato dos Trabalhadores dos Estabelecimentos Fabris das Forças Armadas a convocarem esta greve, que preveem "com muita adesão".

Embora o parlamento tenha aprovado na generalidade, no dia 15, os projetos de lei do PCP, "Os Verdes", Bloco de Esquerda e PS para a reposição das 35 horas de trabalho na função pública, estes sindicatos não ficaram convencidos, porque temem que a medida só entre em vigor no último trimestre do ano.

A principal diferença entre os quatro projetos de lei, que estão em discussão na comissão da especialidade, está no prazo de entrada em vigor da lei, pois enquanto o partido do Governo remete a aplicação da medida para 1 de julho, os outros três partidos querem a sua aplicação o mais rápido possível, correspondendo à reivindicação dos sindicatos.

"A greve faz-se porque não faz sentido que a proposta do PS remeta a reposição do horário de 35 horas para julho e ainda lhe acresça a regulamentação no prazo de 90 dias", disse à agência Lusa a coordenadora da Federação dos Sindicatos da Função Pública (filiada na CGTP), Ana Avoila.

Segundo a sindicalista, as estruturas sindicais que convocaram a paralisação de sexta-feira estão disponíveis para negociar a data de entrada em vigor da reposição do horário de trabalho, mas não aceitam a regulamentação a 90 dias.

"Os objetivos desta greve correspondem aos anseios e reivindicações dos trabalhadores, que tem sido vítimas de uma política de empobrecimento e de retirada de direitos, designadamente o aumento do horário semanal de trabalho das 35 horas paras as 40 horas, que destabilizou toda a sua vida pessoal e profissional", considerou Ana Avoila, acrescentando que esta paralisação é "mais uma luta das muitas já travadas para revogar a lei das 40 horas, desde abaixo-assinados, manifestações e greves.

Ana Avoila disse que nos últimos dias os sindicatos envolvidos na greve têm sido contactados por muitos trabalhadores a manifestarem a sua disponibilidade para participarem na paralisação.

Os primeiros efeitos da greve deverão fazer-se sentir nos hospitais, onde os enfermeiros e o pessoal auxiliar iniciam os turnos noturnos a partir das 20:00.

Por isso, uma delegação sindical estará à meia-noite junto aos hospitais de S. José, em Lisboa, no Centro Hospitalar Universitário de Coimbra e no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia para divulgar os primeiros dados relativos ao protesto.

Na sexta-feira de manhã, a atenção dos sindicatos estará sobretudo voltada para as escolas, acreditando que muitas delas vão encerrar por falta de pessoal não docente.

"Tendo em conta a disponibilidade demonstrada pelos trabalhadores dos vários setores acreditamos que vamos ter muita adesão à greve", disse Ana Avoila.

A Federação Nacional da Função Pública teve hoje uma reunião com a secretária de Estado da Administração Pública, mas isso em nada alterou a disponibilidade para a greve, até porque esteve em discussão o congelamento salarial, que deverá manter-se, tornando-se num motivo acrescido para o descontentamento.

A estrutura sindical tem salientado que os trabalhadores da função pública nos últimos anos "fizeram trabalho gratuito, porque lhes foi aumentado o seu período normal de trabalho semanal e não lhe foi aumentado o valor hora, correspondente a uma perda de rendimentos mensal de 14%".

Com Lusa

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.