sicnot

Perfil

Economia

BCP quer reduzir mais de 100 balcões nos próximos três anos

O BCP vai redefinir o seu modelo de distribuição em Portugal, adaptando-o às novas tendências que o setor enfrenta devido à era digital, pretendendo reduzir a sua rede em mais de 100 agências até ao final de 2018.

© Hugo Correia / Reuters

O objetivo foi hoje anunciado por Nuno Amado, presidente do banco, e implica que o BCP, que fechou 2015 com 671 sucursais, chegue a dezembro de 2018 com menos de 570 agências.

O aumento do peso de clientes com acesso aos meios bancários digitais e das transações digitais vai funcionar como a outra face da moeda neste 'caminho para 2018' que hoje foi apresentado por Nuno Amado, em conferência de imprensa, em Lisboa.

Neste plano também está contemplado o relançamento do segmento 'afluente', o ajuste do modelo da banca para clientes empresariais, a otimização das áreas de recuperação de crédito e o "redesenho e simplificação do modelo operacional", informou o gestor.

Lusa

  • Isabel dos Santos participa na reestruturação da petrolífera Sonangol
    3:10

    Mundo

    Isabel dos Santos está envolvida na reestruturação da petrolífera Sonangol. A empresária angolana, filha do Presidente José Eduardo dos Santos, integra a comissão criada para melhorar o desempenho daquela que é a maior empresa pública do país. A Sonangol é acionista do BCP e tem uma participação indireta no capital da Galp Energia.

  • Nuno Amado revela que BCP pretende fechar mais 100 balcões até 2018
    0:32

    Economia

    O BCP saiu do vermelho. O banco anunciou hoje que teve lucros de 245 milhões de euros em 2015, contra 227 milhões de prejuizos no ano anterior. Os resultados ficam a dever-se, principalmente, ao aumento de 16% da margem financeira e à redução de custos operacionais. Os números foram apresntados esta tarde pelo presidente do banco numa conferência de imprensa. Nuno Amado revelou que o BCP pretende fechar mais 100 balcões até 2018.

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida