sicnot

Perfil

Economia

CGTP quer que Governo resista às pressões da Comissão Europeia

A CGTP considerou hoje que o Governo tem de resistir às pressões da Comissão Europeia para aplicar medidas de austeridade para controlar o défice e defendeu a necessidade de se criar um movimento de contestação nacional à ingerência europeia.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos. (Arquivo)

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos. (Arquivo)

MIGUEL A. LOPES / Lusa

"A Comissão Europeia (CE) persiste numa linha errada, que pressupõe a retirada de direitos às pessoas, por isso, é necessário que o Governo resista a esta pressão e é necessário criar uma contestação nacional a esta ingerência, para mostrar que o caminho não pode continuar a ser este", disse o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, aos jornalistas.

Para o sindicalista, os problemas levantados pela CE ao esboço de Orçamento do Estado apresentado pelo Governo português, "não têm tanto a ver com o cumprimento das metas orçamentais".

"O grande problema é que as mudanças possam continuar em Portugal", acrescentou.

"Por isso, o Governo português deve ter uma voz forte, de confronto, para conseguir pôr em prática novas políticas mais favoráveis aos trabalhadores e às suas famílias", disse Arménio Carlos em conferência de imprensa, no final de uma reunião do Conselho Nacional da central.

Arménio Carlos manifestou a convicção de que o Governo socialista "não se deixará envolver neste processo".

Mas, caso o Governo ceda, irá pôr em causa as promessas do primeiro-ministro, de que o Orçamento do Estado para 2016 respeitará os compromissos assumidos com os outros partidos de esquerda e com o povo português, disse o sindicalista.

Na conferência de imprensa, Arménio Carlos divulgou uma resolução aprovada pelo Conselho Nacional, onde são reivindicadas melhores condições de vida e de trabalho, o combate à ingerência europeia e novas políticas para o país.

No documento, a CGTP defende a reposição dos rendimentos dos portugueses, uma nova política fiscal, uma mais justa distribuição da riqueza e a renegociação da dívida pública.

"Para a CGTP-IN é possível e incontornável a renegociação da dívida e o confronto com as regras do Tratado Orçamental e do Pacto de Estabilidade, instrumentos que hipotecam o desenvolvimento nacional e põem em causa a soberania do país", diz a resolução.

Arménio Carlos considerou que "a dívida é impagável" e "vai continuar a limitar o desenvolvimento do país".

Lusa

  • Cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se em Lisboa
    3:55

    Economia

    Perto de cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se esta sexta-feira, em Lisboa. Os números são avançados pelos sindicatos. Os trabalhadores contestam a transferência de funcionários para empresas parceiras da Altice e outras empresas do grupo, sem as mesmas garantias e direitos. A Altice garante que as transferências são legais mas alguns funcionários já levaram o caso a tribunal.

  • Uma viagem aérea pela Lagoa Negra
    1:02
  • Videovigilância regista impacto de sismo na Grécia

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6.7 atingiu na quinta-feira o mar Egeu e causou pelo menos dois mortos e mais de 200 feridos. O momento e o impacto causado pelo abalo foram registados através de uma câmara de videovigilância de um café, na ilha grega de Kos, um dos locais mais afetados.

  • A sátira a Sean Spicer no Saturday Night Live
    1:36

    Mundo

    O estilo de Sean Spicer foi controverso desde o início. A relação conflituosa do ex-assessor da Casa Branca com os jornalistas foi muitas vezes satirizada na comunicação social. Um exemplo é um momento do Saturday Night Live, protagonizado pela atriz Meliissa McCarthy.

  • Músico indiano toca guitarra durante cirurgia ao cérebro

    Mundo

    Abhishek Prasad foi submetido a uma cirurgia ao cérebro esta quinta-feira, num hospital na cidade indiana de Bangalore, após anos e anos a sofrer de dolorosos espasmos nas mãos. O insólito do caso foi que o músico indiano teve de tocar guitarra para ajudar os médicos durante a intervenção cirúrgica.