sicnot

Perfil

Economia

CGTP quer que Governo resista às pressões da Comissão Europeia

A CGTP considerou hoje que o Governo tem de resistir às pressões da Comissão Europeia para aplicar medidas de austeridade para controlar o défice e defendeu a necessidade de se criar um movimento de contestação nacional à ingerência europeia.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos. (Arquivo)

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos. (Arquivo)

MIGUEL A. LOPES / Lusa

"A Comissão Europeia (CE) persiste numa linha errada, que pressupõe a retirada de direitos às pessoas, por isso, é necessário que o Governo resista a esta pressão e é necessário criar uma contestação nacional a esta ingerência, para mostrar que o caminho não pode continuar a ser este", disse o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, aos jornalistas.

Para o sindicalista, os problemas levantados pela CE ao esboço de Orçamento do Estado apresentado pelo Governo português, "não têm tanto a ver com o cumprimento das metas orçamentais".

"O grande problema é que as mudanças possam continuar em Portugal", acrescentou.

"Por isso, o Governo português deve ter uma voz forte, de confronto, para conseguir pôr em prática novas políticas mais favoráveis aos trabalhadores e às suas famílias", disse Arménio Carlos em conferência de imprensa, no final de uma reunião do Conselho Nacional da central.

Arménio Carlos manifestou a convicção de que o Governo socialista "não se deixará envolver neste processo".

Mas, caso o Governo ceda, irá pôr em causa as promessas do primeiro-ministro, de que o Orçamento do Estado para 2016 respeitará os compromissos assumidos com os outros partidos de esquerda e com o povo português, disse o sindicalista.

Na conferência de imprensa, Arménio Carlos divulgou uma resolução aprovada pelo Conselho Nacional, onde são reivindicadas melhores condições de vida e de trabalho, o combate à ingerência europeia e novas políticas para o país.

No documento, a CGTP defende a reposição dos rendimentos dos portugueses, uma nova política fiscal, uma mais justa distribuição da riqueza e a renegociação da dívida pública.

"Para a CGTP-IN é possível e incontornável a renegociação da dívida e o confronto com as regras do Tratado Orçamental e do Pacto de Estabilidade, instrumentos que hipotecam o desenvolvimento nacional e põem em causa a soberania do país", diz a resolução.

Arménio Carlos considerou que "a dívida é impagável" e "vai continuar a limitar o desenvolvimento do país".

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59