sicnot

Perfil

Economia

Confiança dos portugueses atinge valores históricos em 2015

O índice de confiança dos consumidores portugueses atingiu os 66 pontos no final de 2015, o valor mais elevado dos últimos anos, uma subida de sete pontos em relação ao início do ano, mas ainda abaixo da média europeia.

Confiança dos portugueses aumentou

Confiança dos portugueses aumentou

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

De acordo com o "Estudo Global de Confiança dos Consumidores", da Nielsen, "Portugal fecha 2015 com um índice de confiança de 66, representando uma subida de sete pontos face ao início do ano e de 11 pontos face ao período homólogo", mas continua abaixo da média europeia, que foi de 81 pontos no final de 2015.

A segurança no emprego continua a ser a principal preocupação dos portugueses, com 84% dos inquiridos sem boas perspetivas de emprego para os próximos 12 meses.

Espanha, Itália e França apresentam a mesma preocupação, com valores muito próximos -- 70%, 79%, 75% respetivamente, sendo a Grécia a mais pessimista no grupo dos países mediterrânicos, com 90%.

Entre as principais preocupações dos portugueses, está o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal que regista 14%, contra 4% de média europeia, o que faz de Portugal um dos países europeus mais conscientes sobre este tema, revela o estudo.

Ainda assim, os portugueses estavam no final de 2015 mais confiantes, com 30% dos inquiridos a afirmar ter boas perspetivas em relação à sua situação financeira pessoal, valor que no final de 2014 era de 19%.

Depois de cobrir todos os gastos essenciais, 24% dos inquiridos dizem optar por despender o seu dinheiro extra em entretenimento fora de casa, percentagem que durante o mesmo período em 2013, no pico da crise, registava 13%.

No último estudo da Nielsen, o receio face ao terrorismo aumenta expressivamente, com 22% dos inquiridos na Europa e 27% na América do Norte a mostrarem-se preocupados, constituindo uma das principais preocupações a curto prazo.

Em França, 15% declaram estar preocupados com o terrorismo, sendo assim a sua segunda maior preocupação nos próximos seis meses.

O relatório internacional "Estudo Global de Confiança dos Consumidores" é realizado junto dos utilizadores de Internet de 61 países e não no total da população.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.