sicnot

Perfil

Economia

Juros da dívida pressionados com taxa a 10 anos acima dos 3,3%

A pressão dos mercados sobre a dívida soberana de Portugal aumentou hoje fazendo subir os juros das obrigações no prazo dos 10 anos acima dos 3,3%.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Pelas 14:15 [hora de Lisboa], e num dia em que o índice ASE, da bolsa de Atenas, segue a afundar 7,89% para 464,13 pontos, penalizado pelo setor financeiro grego que caía 14,76%, os investidores manifestavam também "alguma incerteza" sobre Portugal, no primeiro dia útil após a apresentação da proposta de apresentação do Orçamento de Estado para 2016.

A taxa de juro das obrigações a 10 anos em Portugal subiu dos 1,744% do fecho na sexta-feira para 3,342% hoje, o nível mais alto em seis meses.

Na verdade, e segundo a agência Efe, o diferencial das obrigações de Portugal a 10 anos, face às obrigações de dívida alemã no mesmo prazo, atingiu máximos desde março de 2014, ao superar os 300 pontos base, devido também à queda da rentabilidade dos títulos germânicos.

No prazo dos cinco anos, os juros da dívida de Portugal estavam igualmente pressionados ao subirem de 1,743% no encerramento de sexta-feira para 1,938% à mesma hora de hoje.

Os investidores vêm Portugal como um dos países da Europa mais sensíveis à turbulência nos mercados, depois de ter realizado uma saída limpa, isto é, com êxito do resgate financeiro em maio de 2014.

Nesse período, a pressão sobre os juros da dívida atingiu níveis insustentáveis e o rendimento das obrigações a dez anos chegou a superar os 17%.

A proposta de Orçamento de Estado para 2016, entregue no Parlamento português na sexta-feira, vai ser discutida na especialidade a 22 de fevereiro e a votação final será a 16 de março deste ano.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.