sicnot

Perfil

Economia

Obama apresenta proposta de Orçamento para 2017

O presidente dos Estados Unidos apresentou hoje a proposta de Orçamento para 2017, no valor de quatro biliões de dólares (3,58 biliões de euros), apostando na luta contra as alterações climáticas e o terrorismo e no investimento em infraestruturas.

© Kevin Lamarque / Reuters

Na sua última proposta antes de abandonar a Casa Branca, em janeiro do ano que vem, Barack Obama esboça um panorama económico de crescimento sólido, que situa em 2,6 por cento este ano e em 2017, e com um défice orçamental que deverá cair abaixo de 2,5 por cento entre agora e 2026.

"O plano reduz o défice e mantém a evolução fiscal através de poupanças inteligentes no sistema de saúde, imigração e impostos", refere Obama no documento da proposta orçamental.

O orçamento "é um roteiro para um futuro que encarna os valores e aspirações dos Estados Unidos: um futuro de oportunidade e segurança para as nossas famílias; um melhor nível de vida; e um planeta sustentável e em paz para os nossos filhos", referiu Obama.

Entre as novidades está um adicional de 19 mil milhões de dólares para reforçar a cibersegurança, cerca de 35 por cento a mais do que o previsto no ano anterior.

Também avança um imposto de dez dólares por barril de petróleo, que permitirá a entrada de 320 mil milhões de dólares em 10 anos, para financiar projetos de energias limpas e investimento em infraestruturas.

Por outro lado, o orçamento de defesa para o Pentágono será aumentado em um por cento, ate aos 582,7 mil milhões de dólares, número que os republicanos consideram escasso para ameaças como a ascensão do grupo extremista Estado Islâmico, a continuada presença de tropas no Afeganistão e a necessária modernização de equipamentos perante tensões com a Rússia e a China.

Especificamente, o financiamento para a luta contra o Estado Islâmico sobe dos 3,5 mil milhões de dólares atuais para 4,1 mil milhões no próximo ano fiscal.

O ano fiscal de 2017 nos Estados Unidos começa a 1 de outubro deste ano.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.