sicnot

Perfil

Economia

Obama apresenta proposta de Orçamento para 2017

O presidente dos Estados Unidos apresentou hoje a proposta de Orçamento para 2017, no valor de quatro biliões de dólares (3,58 biliões de euros), apostando na luta contra as alterações climáticas e o terrorismo e no investimento em infraestruturas.

© Kevin Lamarque / Reuters

Na sua última proposta antes de abandonar a Casa Branca, em janeiro do ano que vem, Barack Obama esboça um panorama económico de crescimento sólido, que situa em 2,6 por cento este ano e em 2017, e com um défice orçamental que deverá cair abaixo de 2,5 por cento entre agora e 2026.

"O plano reduz o défice e mantém a evolução fiscal através de poupanças inteligentes no sistema de saúde, imigração e impostos", refere Obama no documento da proposta orçamental.

O orçamento "é um roteiro para um futuro que encarna os valores e aspirações dos Estados Unidos: um futuro de oportunidade e segurança para as nossas famílias; um melhor nível de vida; e um planeta sustentável e em paz para os nossos filhos", referiu Obama.

Entre as novidades está um adicional de 19 mil milhões de dólares para reforçar a cibersegurança, cerca de 35 por cento a mais do que o previsto no ano anterior.

Também avança um imposto de dez dólares por barril de petróleo, que permitirá a entrada de 320 mil milhões de dólares em 10 anos, para financiar projetos de energias limpas e investimento em infraestruturas.

Por outro lado, o orçamento de defesa para o Pentágono será aumentado em um por cento, ate aos 582,7 mil milhões de dólares, número que os republicanos consideram escasso para ameaças como a ascensão do grupo extremista Estado Islâmico, a continuada presença de tropas no Afeganistão e a necessária modernização de equipamentos perante tensões com a Rússia e a China.

Especificamente, o financiamento para a luta contra o Estado Islâmico sobe dos 3,5 mil milhões de dólares atuais para 4,1 mil milhões no próximo ano fiscal.

O ano fiscal de 2017 nos Estados Unidos começa a 1 de outubro deste ano.

Lusa

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.

  • "Estar na Web Summit foi dizer em empreendedorês: estamos vivos, estamos aqui!"

    Web Summit

    No seguimento da entrevista à blogger Sara Riobom, que conhecemos durante a WebSummit, trazemos a história de outro jovem português (que não trabalha sozinho) que esteve no evento, em Lisboa, a promover a sua startup. Quis o acaso e as peripécias do direto e do destino que acabasse por receber um visitante ilustre e especial no seu stand: nada mais nada menos do que o primeiro-ministro, António Costa. Recentemente estiveram no Shark Tank, onde conseguiram captar a atenção de um dos “tubarões” do programa da SIC. Mas o que queremos saber é…

    Martim Mariano