sicnot

Perfil

Economia

Jornal britânico The Independent deixa edição de papel e aposta no digital

O jornal britânico The Independent decidiu acabar com a sua edição em papel, transformando-se a partir de 26 de março num título exclusivamente digital, divulgou hoje o proprietário da publicação.

A página online do jornal, com cerca de 70 milhões de visitantes únicos por mês, já é rentável e antevê um aumento de receitas de cerca de 50% para o ano corrente.

A página online do jornal, com cerca de 70 milhões de visitantes únicos por mês, já é rentável e antevê um aumento de receitas de cerca de 50% para o ano corrente.

© Neil Hall / Reuters

Esta aposta surge na sequência de um decréscimo contínuo das vendas do título. "A indústria dos jornais está a mudar e essa mudança foi iniciada pelos leitores. Eles mostram que o futuro é o digital", afirmou Evgeny Lebedev, o proprietário do jornal, um britânico de origem russa, num comunicado.

"Fomos confrontados com uma escolha: gerir o declínio contínuo do papel ou transformar a base digital que construímos num futuro rentável e sustentável", indicou o responsável, numa carta dirigida aos funcionários, salientando que o The Independent será "o primeiro de muitos títulos importantes que vai mudar para um futuro 100% digital".

A família Lebedev comprou o título britânico em 2010.

Com cerca de 60 mil exemplares vendidos por dia, incluindo 40 mil assinantes, o The Independent, criado em 1986, é o diário nacional com menos vendas no Reino Unido, atrás dos tabloides The Sun ou Daily Mail e de outros jornais como o The Times, Guardian ou Daily Telegraph.

No seu melhor ano, 1989, a circulação paga do The Independent chegou a ultrapassar os 420 mil exemplares.

"Esta decisão permite salvar a marca e permite-nos continuar a investir em conteúdos de alta qualidade editorial que atraem cada vez mais leitores nas plataformas online", referiu Lebedev, líder do grupo ESI Media, que também detém o diário de distribuição gratuita The Evening Standard e o canal de televisão London Live.

O grupo ESI Media também confirmou a venda, sujeita à aprovação dos acionistas, do título "i", uma versão mais leve do diário The Independent.

O título será vendido ao grupo Johnston Press, que também deverá acolher "um número significativo de trabalhadores" do jornal The Independent.

A venda deverá envolver um montante de 25 milhões de libras (cerca de 32 milhões de euros), segundo noticiaram os 'media' britânicos.

"Vão existir algumas demissões entre a equipa editorial", admitiu o grupo ESI Media. Cerca de 150 pessoas trabalhavam para o The Independent.

Atualmente, a página online do jornal, com cerca de 70 milhões de visitantes únicos por mês, já é rentável e antevê um aumento de receitas de cerca de 50% para o ano corrente.

Lusa

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.