sicnot

Perfil

Economia

Metro do Porto e STCP anulam contratos de subconcessão

As administrações da Metro do Porto e da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) anularam hoje os contratos de subconcessão à Transdev e à Alsa, respetivamente, devido a "invalidades diversas", disse à Lusa fonte oficial das empresas.

De acordo com a mesma fonte, a decisão foi tomada hoje pelos conselhos de administração das empresas por haver "invalidades diversas nos contratos". O próximo passo neste processo é "comunicar a decisão às empresas que tinham celebrado os contratos" de subconcessão.

A subconcessão das empresas públicas de transporte foi lançada pelo Governo de Passos Coelho, que atribuiu à Avanza a exploração da Carris e do Metro de Lisboa, à britânica National Express, que detém a espanhola Alsa, a STCP e à francesa Transdev o Metro do Porto.

No entanto, nove dias depois de ter entrado em funções, o executivo de António Costa suspendeu "com efeitos imediatos" o processo. Os contratos aguardavam visto prévio do Tribunal de Contas para entrarem em vigor.

A decisão tomada hoje pelos conselhos de administração da Metro do Porto e da STCP formaliza a posição do executivo, que acredita que a reversão não implica o pagamento de indemnizações.

No entanto, o grupo mexicano ADO, que venceu a subconcessão do Metropolitano de Lisboa e da rodoviária Carris, através da participada espanhola Avanza, já fez saber que vai "usar todos os meios" para defender os seus interesses, incluindo ações nos tribunais internacionais.

Já este mês, o ministro do ambiente, João Pedro Matos Fernandes referiu que a intenção do Governo é manter a concessão da operação da Metro do Porto, abrindo um novo concurso para isso logo que seja possível.

"Estatutariamente, a Metro do Porto não pode operar. Por isso, a nossa forte vontade é que haja um concurso para a concessão da operação. Sempre foi assim", afirmou.

De acordo com o ministro, o concurso só pode ser lançado "um ano depois" de ser feito o anúncio do mesmo, algo que espera ser possível "dentro de dois ou três meses".

Enquanto isso, o atual contrato de concessão da operação com a Via Porto deve ser prolongado "por mais três meses", adiantou Matos Fernandes, reservando mais novidades sobre o assunto para daqui a "duas ou três semanas".

Com Lusa

  • Isto não é não jornalismo. Por Ricardo Costa

    Opinião

    Uma das decisões mais banais e corriqueiras do jornalismo assenta nas escolhas que se fazem no dia a dia. Que temas se abordam, que destaque se dá a este ou aquele assunto, que ângulos de abordagem se usam. São opções condicionadas por uma série de fatores - que vão do interesse e da novidade até questões tão básicas como o haver ou não jornalistas com tempo, meios e conhecimentos para o fazerem -, que estão e estarão na base de qualquer dia de trabalho numa redação.

    Ricardo Costa

  • Bruxelas multa Altice em 125 M€ devido à compra da PT

    Economia

    Os Serviços da Concorrência da Comissão Europeia decidiram multar a Altice em 125 milhões de euros no âmbito da compra da PT Portugal. Bruxelas avançou com a multa à Altice por ter começado a gerir a PT antes do negócio ter sido aprovado pela Comissão Europeia.

  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.