sicnot

Perfil

Economia

Grupo canadiano Bombardier vai eliminar sete mil empregos

O grupo aeronáutico canadiano Bombardier, em profunda reestruturação, anunciou hoje que vai eliminar, em 2016 e 2017, sete mil postos de trabalho, dos quais 3.800 no setor aeronáutico e 3.200 no transporte ferroviário.

© Ints Kalnins / Reuters

"Esta redução será em parte compensada com a contratação em alguns setores que registam crescimento para apoiar a aceleração de programas e projetos estratégicos à escala mundial", acrescentou a empresa num comunicado divulgado com os resultados anuais.

A Bombardier tem mais de 70 mil funcionários em todo o mundo, dos quais 24 mil no Canadá.

Os custos da reestruturação da Bombardier situam-se entre 250 e 300 milhões de dólares (entre 224 e 269 milhões de euros).

Em 2015, as receitas do fabricante canadiano caíram para 18.172 milhões de dólares, em comparação com os 20.111 milhões do ano passado.

Lusa

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.