sicnot

Perfil

Economia

"Impostos não servem apenas para pagar dívida", diz o ministro das Finanças

O ministro das Finanças disse hoje no Sardoal que os impostos não servem apenas para pagar dívidas, considerando que investimentos como o da Loja do Cidadão que hoje inaugurou naquela localidade são "uma das faces mais visíveis do retorno dos impostos que pagamos".

ANT\303\223NIO COTRIM

"Os impostos não servem apenas para pagar dívidas e esta Loja é uma das faces mais visíveis do retorno dos impostos que pagamos, assim como escolas e centros de saúde, na promoção de serviços públicos de qualidade, modernos e de proximidade, pois servem para melhorar a qualidade de vida das pessoas (...)", disse Mário Centeno no seu discurso durante a inauguração daquele equipamento no Sardoal.

"Esta ação pública é o resultado do esforço dos habitantes do Sardoal, do município e do Governo, e é este tipo de serviço público de confiança e proximidade que o Governo quer dinamizar, numa lógica da relação entre o Estado e os cidadãos e numa perspetiva de médio e longo prazo para o país, retomando o programa Simplex", destacou o ministro das Finanças.

Mário Centeno esteve hoje em Sardoal acompanhado da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Marques, onde inauguraram a Loja do Cidadão de Sardoal, equipamento que tem disponível, a partir de hoje, os serviços da Autoridade Tributária, Segurança Social, Gabinete de Inserção Profissional do Instituto do Emprego e um balcão multisserviços, entre outros.

Nesse sentido, também Maria Manuel Marques, ministra da Modernização Administrativa, destacou o "elogio e o aplauso dos cidadãos às Lojas e Espaços do Cidadão", lembrado o tempo e o dinheiro que os portugueses perdem ao "terem de se deslocar de edifício em edifício, quando têm de tratar de assuntos com diferentes entidades, a correr de serviço em serviço".

A Governante destacou, neste âmbito das Lojas e Espaço do Cidadão, a "renovação dos serviços públicos, a requalificação de edifícios devolutos, a colaboração dos municípios, o serviço de proximidade, com os serviços agrupados".

"Este é o único caminho que corresponde a uma boa gestão de serviços públicos de proximidade", vincou.

O presidente da autarquia de Sardoal, Miguel Borges (PSD), destacou a interioridade do município, "interior de um país que teima em acentuar a sua inclinação para o litoral, apesar das poucas dezenas de quilómetros que nos separam desse mesmo litoral".

"A Loja do Cidadão de Sardoal", sublinhou, "poderá, também ela, contribuir para o tão desejado nivelamento territorial, como fator dinamizador da nossa economia local, além de transmitir a imagem real de um concelho com história que se quer moderno e dinâmico".

Miguel Borges aproveitou a presença dos dois ministros no município de Sardoal para lembrar "o problema da falta de médicos" no concelho e para "lamentar que a Loja do Cidadão não integre o Instituto dos Registos e Notariado".

A nova Loja do Cidadão começou hoje a funcionar nas instalações da antiga União Panificadora Sardoalense, cujo edifício foi adquirido pela autarquia há cerca de um ano, tendo recebido obras de adaptação e reabilitação que representaram um investimento na ordem dos 400 mil euros, com financiamento de 85% de fundos comunitários.

O ministro Mário Centeno confidenciou ter-se estreado hoje, no Sardoal, a descerrar uma placa com o seu nome num equipamento público.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.