sicnot

Perfil

Economia

Bancos aumentam montantes emprestados para crédito à habitação

Os bancos estão a aumentar os montantes emprestados para crédito à habitação, numa altura em que as famílias beneficiam de taxas de juro historicamente baixas, com o valor concedido em dezembro passado a ser o mais alto desde 2011.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

De acordo com os últimos dados do Banco de Portugal, em dezembro de 2015, as novas operações com crédito à habitação totalizaram 469 milhões de euros, um aumento face aos 413 milhões de euros de novembro e representando o valor mais alto desde maio de 2011.

Este valor parece significar o início de uma recuperação no mercado de crédito à habitação, que ganha força se for feita a comparação com os anos anteriores. Fazendo as contas, em 2015 os bancos emprestaram, em média, 334 milhões de euros por mês para a compra de casa, sendo que em 2014 o valor médio foi de 193 milhões e, em 2013, foi ainda mais baixo, de cerca de 170 milhões.

Ainda assim, os valores do fim de 2015 em nada se comparam com os registados antes da crise financeira, nos anos de intensa concessão de crédito pelos bancos.

Analisados os dados do Banco de Portugal, entre 2004 e 2007, os bancos emprestavam mais mil milhões de euros por mês para a compra de casa. Em julho de 2007 foi atingido o valor recorde de 1,8 mil milhões de euros só em crédito à habitação.

Apesar de os valores agora concedidos estarem longe desses anos nota-se uma recuperação, com a associação de defensa do consumidor Deco a considerar que tal é fruto de os bancos estarem de novo mais dispostos a emprestar dinheiro e a praticarem menores 'spreads' (margem de lucro do banco), do contexto de taxas de juro Euribor historicamente baixas e de o mercado de arrendamento ainda não ser, em muitos casos, uma alternativa verdadeiramente viável para as famílias.

"Há algum entusiasmo pela parte das famílias em recorrer ao crédito à habitação, até porque nestes últimos anos esteve fechado. Mas é importante que as famílias o façam com cautela", disse à Lusa Natália Nunes, coordenadora do Gabinete de Apoio ao Sobreendividado da Deco.

A responsável diz mesmo que continuam a chegar à Deco "muitas famílias com dificuldades em honrar compromissos de crédito", sobretudo devido à diminuição do rendimento por desemprego, havendo situações de pais que, enquanto fiadores, foram chamados a garantir os empréstimos dos filhos.

O crédito malparado no segmento da habitação ascendia em dezembro de 2015 a 2.480 milhões de euros, valor semelhante aos 2.500 milhões de euros do mesmo mês de 2014 e que representa 2,54% do total de 'stock' de crédito à habitação.

Quanto às famílias que querem agora contratar crédito, a Deco tem alertado para não se deixarem iludir por mensalidades baixas por força das Euribor também baixas, e defendido a importância de avaliarem cuidadosamente se conseguirão suportar a mensalidade quando as taxas subirem.

Quando os bancos fazem simulações para um crédito à habitação são obrigados, pela lei, a fazer contas, não só a quanto seria a prestação com as taxas de juro aos valores atuais, mas também com a taxa com mais um ponto percentual e com mais dois pontos percentuais.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.

  • O edifício mais longo do mundo

    Mundo

    Se pensa que já viu tudo em relação aos edifícios mais longos e complexos do mundo, pense duas vezes. O edifício mais longo do mundo pode estar prestes a chegar e promete fazer de Nova Iorque uma cidade ainda mais atrativa.