sicnot

Perfil

Economia

Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos defende fim do sigilo fiscal

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI), Paulo Ralha, defendeu hoje o fim do sigilo fiscal, considerando que esta seria a única forma de combater a fraude e a evasão fiscal.

Paulo Ralha, presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos

Paulo Ralha, presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos

SIC

"É importante acabar rapidamente com o sigilo fiscal, que beneficia as grandes empresas, as multinacionais e os profissionais liberais, pois são estes que pagam cada vez menos impostos", disse Paulo Ralha numa intervenção proferida no XIII Congresso da CGTP.

O presidente do Sindicato salientou que os trabalhadores assalariados "não têm medo [do fim] do sigilo fiscal, quem tem medo são os administradores das multinacionais e os advogados, que não declaram todos os seus rendimentos".

Por esta razão, Paulo Ralha considerou que os programas de combate à fraude fiscal nunca serão bem sucedidos enquanto não se acabar com o sigilo fiscal.

O sindicalista referiu ainda que "Portugal está a ser asfixiado por uma dívida não pagável".

"Queremos ser como a Inglaterra, queremos que venha o dinheiro mas não queremos pagar a dívida", disse, acrescentando que "Portugal não pode deixar-se asfixiar-se pela dívida quando outros obtêm o perdão da dívida".

O STI não é filiado na CGTP, mas é prática da Central convidar sindicatos independentes para participarem nos seus trabalho, alguns deles integram mesmo o Conselho Nacional, como é o caso do Sindicato dos Trabalhadores Judiciais.

O XIII Congresso da CGTP que decorre desde sexta-feira em Almada, termina hoje ao final da tarde com a aprovação do programa de ação para os próximos quatro anos e a eleição dos corpos sociais".

Lusa

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • Comitiva portuguesa terminou visita à central de Almaraz

    País

    A visita técnica da delegação portuguesa e da Comissão Europeia à central nuclear de Almaraz, em Espanha, realizou-se esta segunda-feira. A visita serviu para Portugal se inteirar sobre o funcionamento da central e sobre o projeto de construção de uma instalação para armazenamento de resíduos radioativos.

  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16

    Economia

    A Nokia chegou a ser uma das maiores empresas do mundo devido ao fabrico de telemóveis. Caiu, mas acaba de fazer renascer um dos sucessos de vendas do início do milénio. O anúncio foi feito este domingo, em Barcelona.