sicnot

Perfil

Economia

Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos defende fim do sigilo fiscal

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI), Paulo Ralha, defendeu hoje o fim do sigilo fiscal, considerando que esta seria a única forma de combater a fraude e a evasão fiscal.

Paulo Ralha, presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos

Paulo Ralha, presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos

SIC

"É importante acabar rapidamente com o sigilo fiscal, que beneficia as grandes empresas, as multinacionais e os profissionais liberais, pois são estes que pagam cada vez menos impostos", disse Paulo Ralha numa intervenção proferida no XIII Congresso da CGTP.

O presidente do Sindicato salientou que os trabalhadores assalariados "não têm medo [do fim] do sigilo fiscal, quem tem medo são os administradores das multinacionais e os advogados, que não declaram todos os seus rendimentos".

Por esta razão, Paulo Ralha considerou que os programas de combate à fraude fiscal nunca serão bem sucedidos enquanto não se acabar com o sigilo fiscal.

O sindicalista referiu ainda que "Portugal está a ser asfixiado por uma dívida não pagável".

"Queremos ser como a Inglaterra, queremos que venha o dinheiro mas não queremos pagar a dívida", disse, acrescentando que "Portugal não pode deixar-se asfixiar-se pela dívida quando outros obtêm o perdão da dívida".

O STI não é filiado na CGTP, mas é prática da Central convidar sindicatos independentes para participarem nos seus trabalho, alguns deles integram mesmo o Conselho Nacional, como é o caso do Sindicato dos Trabalhadores Judiciais.

O XIII Congresso da CGTP que decorre desde sexta-feira em Almada, termina hoje ao final da tarde com a aprovação do programa de ação para os próximos quatro anos e a eleição dos corpos sociais".

Lusa

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.