sicnot

Perfil

Economia

Carta rogatória já foi enviada a Angola para constituir arguido Helder Bataglia

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirma que já enviou às autoridades angolanas uma carta rogatória para constituir arguido o empresário luso-angolano Helder Bataglia no processo Operação Marquês.

"Confirma-se que foi enviada às autoridades angolanas uma carta rogatória com vista à constituição de arguido [Helder Bataglia]", disse a PGR, em resposta à Lusa.

Com o cumprimento da carta rogatória, o empresário torna-se no décimo terceiro arguido do processo Operação Marquês, caso que envolve o ex-primeiro-ministro José Sócrates, o empresário Carlos Santos Silva e o antigo ministro Armando Vara, entre outros.

A constituição de Helder Bataglia como arguido está relacionada com as suspeitas dos investigadores relativamente ao empreendimento Vale do Lobo, Algarve, e à sua aprovação numa altura em que José Sócrates era chefe do Governo.

José Sócrates, que se tornou no único chefe de governo português a ser detido e preso preventivamente, está indiciado por corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais.

Com Lusa

  • Hélder Bataglia vai ser constituído arguido no caso Sócrates
    1:30

    Operação Marquês

    Hélder Bataglia vai mesmo ser constituído arguido no processo que investiga José Sócrates. O Ministério Público já terá enviado para Angola a carta rogatória que pede também que o empresário seja interrogado. Bataglia é suspeito de fazer chegar 17 milhões de euros a contas na Suíça que a investigação acredita serem, no final da linha, de José Sócrates.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão