sicnot

Perfil

Economia

Maria Luís Albuquerque pede à subcomissão de ética que avalie se há incompatibilidades

A deputada do PSD e ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque pediu hoje à subcomissão de ética que avalie se existe alguma incompatibilidade entre a sua contratação pela Arrow Global com os atuais e antigos cargos políticos.

Maria Luís Albuquerque, ex-ministra das Finanças.

Maria Luís Albuquerque, ex-ministra das Finanças.

TIAGO PETINGA

"Solicito à subcomissão de ética a avaliação da situação em causa, manifestando desde já a minha total disponibilidade e interesse em prestar junto dessa Subcomissão todos os esclarecimentos entendidos como pertinentes", lê-se na carta de Maria Luís Albuquerque enviada hoje ao presidente da subcomissão de Ética, Luís Marques Guedes, a que a Lusa teve acesso.

No documento, a ex-ministra das Finanças reafirma que "a situação em nada configura impedimento ou incompatibilidade com as funções que desempenhei e desempenho", como já havia afirmado em comunicado na quinta-feira.

Entretanto, o PS disse que vai pedir a apreciação do assunto pela subcomissão de ética do parlamento, à semelhança do PCP, enquanto o BE prometeu dedicar atenção ao facto durante a comissão parlamentar de inquérito ao processo de venda do Banif.

Maria Luís Albuquerque esclarece ainda que as funções que vai desempenhar na Arrow Global são "de natureza estritamente não executiva, e centradas numa avaliação dos quadros macroeconómico e regulatório europeus para enquadramento das decisões estratégicas que a empresa venha a tomar no futuro".

Mais, ressalva, que não terá "qualquer ligação a outras empresas do grupo, que são, de resto, entidades juridicamente independentes da Arrow Global plc", que, acrescenta, está cotada no mercado britânico e sujeita ao controlo e escrutínio das entidades reguladoras daquele país.

Num comunicado publicado na sua página oficial na quinta-feira, o grupo Arrow Global informou que indicou Maria Luís Albuquerque como diretora não executiva com efeitos a 07 de março e que a agora deputada vai integrar o comité de risco e auditoria.

Lusa

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.