sicnot

Perfil

Economia

Companhia aérea canadiana contrata assistentes de bordo que falem português

A companhia aérea canadiana WestJet está a contratar assistentes de bordo que falem o português como segunda língua, disse hoje à agência Lusa uma fonte da operadora.

© Todd Korol / Reuters

"O português é uma das nove línguas que esperamos contratar para as nossas aeronaves, na sequência da renovação da nossa frota. Alguns desses países podem no futuro serem servidos pela companhia", disse Robert Palmer, diretor de comunicação da WestJet.

Além de assistentes de bordo que tenham como segunda língua o português, a companhia, com sede em Calgary, na província de Alberta, está à procura de candidatos que também falem francês, espanhol, alemão, italiano, holandês, cantonês, mandarim e japonês.

O responsável reconhece que alguns desses países podem no futuro virem a ser servidos pela WestJet, daí que faça sentido "iniciar-se proativamente" a procura de assistentes de bordo, pilotos, e outros membros da tripulação, que possam falar uma dessas línguas.

A WestJet tem mais de 140 aeronaves, adquiriu recentemente quatro Boeing's 767-300, estando três deles em serviço, com outro a entrar em funcionamento em maio, o que lhe dá "a capacidade de chegar a outros destinos globais", estando sempre a analisar "novas oportunidades" para os clientes.

Em 2015 a companhia aérea canadiana realizou mais de 200 mil voos, transportando mais de 20 milhões de passageiros, em mais de 100 destinos no Canadá, Estados Unidos, México, América Central, Caraíbas e Europa (Escócia, Inglaterra e Irlanda). A WestJet tem cerca de 12 mil empregados.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.