sicnot

Perfil

Economia

Presidente executivo da EDP comprou 30 mil ações da elétrica

O presidente executivo da EDP, António Mexia, adquiriu em bolsa 30 mil ações da empresa, segundo a informação divulgada pela empresa à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

António Mexia (Reuters/Arquivo)

António Mexia (Reuters/Arquivo)

REUTERS

De acordo com o comunicado da EDP, as trinta mil ações foram compradas na sexta-feira passada, 04 de março, ao preço médio de 2,88 euros cada uma, pelo que, contas feitas, António Mexia gastou mais de 86 mil euros.

"A EDP informa ainda que, em virtude da aquisição acima referida, o Dr. António Luís Guerra Nunes Mexia passou a ser titular de 71.000 ações representativas do capital social da EDP", lê-se no comunicado enviado ao regulador dos mercados financeiros.

As ações da EDP fecharam hoje a cair 4,41% na bolsa de Lisboa para 2,75 euros.

Na sexta-feira, as ações da empresa tinham já fechado a desvalorizar-se 1,77% para 2,88 euros, um dia depois de a EDP ter anunciado que encerrou 2015 com lucros atribuíveis aos acionistas de 913 milhões de euros, menos 12% do que os 1.040 milhões de euros de 2014.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".