sicnot

Perfil

Economia

Presidente executivo da EDP comprou 30 mil ações da elétrica

O presidente executivo da EDP, António Mexia, adquiriu em bolsa 30 mil ações da empresa, segundo a informação divulgada pela empresa à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

António Mexia (Reuters/Arquivo)

António Mexia (Reuters/Arquivo)

REUTERS

De acordo com o comunicado da EDP, as trinta mil ações foram compradas na sexta-feira passada, 04 de março, ao preço médio de 2,88 euros cada uma, pelo que, contas feitas, António Mexia gastou mais de 86 mil euros.

"A EDP informa ainda que, em virtude da aquisição acima referida, o Dr. António Luís Guerra Nunes Mexia passou a ser titular de 71.000 ações representativas do capital social da EDP", lê-se no comunicado enviado ao regulador dos mercados financeiros.

As ações da EDP fecharam hoje a cair 4,41% na bolsa de Lisboa para 2,75 euros.

Na sexta-feira, as ações da empresa tinham já fechado a desvalorizar-se 1,77% para 2,88 euros, um dia depois de a EDP ter anunciado que encerrou 2015 com lucros atribuíveis aos acionistas de 913 milhões de euros, menos 12% do que os 1.040 milhões de euros de 2014.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.