sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas alerta Portugal para desequilíbrios macroeconómicos excessivos

A Comissão Europeia alerta que Portugal continua a ter desequilíbrios macroeconómicos excessivos, mas mantém o país fora do cenário de sanções. O elevado nível da dívida pública e privada e a elevada percentagem de crédito malparado são apontadas como grandes vulnerabilidades num contexto de desemprego também elevado.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

A decisão de Bruxelas de manter o país na categoria dos desequilíbrios macroeconómicos excessivos foi tomada hoje. Numa escala de 1 a 4, Portugal está no nível 3, conseguindo assim evitar um agravamento do procedimento, que poderia implicar sanções.

A Comissão reconhece que o país tomou medidas para resolver problemas no sector financeiro, no acesso ao financiamento e no mercado de trabalho, mas adianta que há ainda falhas a corrigir, nomeadamente nas questões orçamentais, e em algumas áreas do mercado laboral.

  • Comissário europeu reafirma "confiança" na capacidade do Governo
    2:51

    Orçamento do Estado 2016

    António costa não acredita que Portugal terá de adotar medidas adicionais para cumprir o Orçamento do Estado. Ontem à noite, em Bruxelas, o primeiro-ministro disse estar confiante no caminho traçado pelo Governo. As declarações do chefe do Executivo aconteceram depois de o comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, ter afirmado que as medidas adicionais que Portugal ficou de preparar são mesmo para ser implementadas. O assunto gerou alguma confusão em Bruxelas e Moscovici veio hoje "clarificar" as declarações, reafirmando "confiança" na capacidade do Governo.

  • CDS quer que o Governo revele Plano B
    0:47

    Economia

    Esta manhã, no Parlamento, o deputado João Almeida exigiu ao Governo que revele as medidas adicionais que estão a ser preparadas. O CDS pediu, também, esclarecimentos aos partidos de esquerda que apoiam o executivo de António Costa.

  • António Costa diz que não tem motivos para apresentar medidas adicionais
    1:22

    Economia

    Em Bruxelas, o primeiro-ministro garante que não tem motivos para ter que apresentar medidas adicionais. Esta noite, António Costa disse que o Governo não vai alterar o Orçamento porque nada indica que Portugal venha a falhar as metas assumidas. Sobre as recomendações da Comissão, o primeiro-ministro disse que não partilha a mesma análise.

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.