sicnot

Perfil

Economia

Economia da zona euro cresce 1,6% no último trimestre de 2015

A economia da zona euro cresceu 1,6% e a da União Europeia 1,8% no quarto trimestre de 2015, face ao período homólogo de 2014, segundo uma estimativa do Eurostat.

Já na comparação com o trimestre anterior, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro aumentou, entre outubro e dezembro últimos, 0,3% na zona euro e 0,4% na UE.

O crescimento da economia no quatro trimestre do ano passado acompanha a tendência já verificada no anterior, quando o PIB cresceu, em termos homólogos, 1,6% na zona euro e 1,9% no conjunto dos 28 Estados-membros, e, em cadeia [face ao trimestre anterior], respetivamente, 0,3% e 0,4%.

A Suécia (4,5%), a República Checa e a Eslováquia (4,0%) são os países cujas economias mais cresceram na comparação homóloga, tendo o PIB da Grécia sido o único a recuar (-08%).

Já face ao período entre junho de setembro de 2015, a Suécia (1,5%), a Estónia (1,2%), a Polónia e a Roménia (1,1%) registaram as maiores subidas do PIB, enquanto a Croácia (-0,5%) e a Letónia (-0,3%) viram as suas economias a contrair no último trimestre do ano passado.

Em Portugal, a economia aumentou 1,3% na comparação homóloga e 0,2% na variação em cadeia.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.