sicnot

Perfil

Economia

Economia da zona euro cresce 1,6% no último trimestre de 2015

A economia da zona euro cresceu 1,6% e a da União Europeia 1,8% no quarto trimestre de 2015, face ao período homólogo de 2014, segundo uma estimativa do Eurostat.

Já na comparação com o trimestre anterior, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro aumentou, entre outubro e dezembro últimos, 0,3% na zona euro e 0,4% na UE.

O crescimento da economia no quatro trimestre do ano passado acompanha a tendência já verificada no anterior, quando o PIB cresceu, em termos homólogos, 1,6% na zona euro e 1,9% no conjunto dos 28 Estados-membros, e, em cadeia [face ao trimestre anterior], respetivamente, 0,3% e 0,4%.

A Suécia (4,5%), a República Checa e a Eslováquia (4,0%) são os países cujas economias mais cresceram na comparação homóloga, tendo o PIB da Grécia sido o único a recuar (-08%).

Já face ao período entre junho de setembro de 2015, a Suécia (1,5%), a Estónia (1,2%), a Polónia e a Roménia (1,1%) registaram as maiores subidas do PIB, enquanto a Croácia (-0,5%) e a Letónia (-0,3%) viram as suas economias a contrair no último trimestre do ano passado.

Em Portugal, a economia aumentou 1,3% na comparação homóloga e 0,2% na variação em cadeia.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41