sicnot

Perfil

Economia

Fitch piora previsão de recessão no Brasil para 3,5%

A agência de notação financeira Fitch reviu hoje em baixa a previsão de evolução da economia do Brasil, antecipando uma recessão de 3,5% este ano, um ponto percentual pior que nas previsões de dezembro.

"A Fitch reviu a previsão de crescimento do Brasil para -3,5% em 2016 e 0,7% em 2017, quando em dezembro previa uma recessão de 2,5% este ano e um crescimento de 1,2% em 2017", lê-se no relatório sobre as Perspetivas Globais da Economia ('Global Economic Outlook', no original em inglês), hoje divulgado.

No relatório, que antecipa um crescimento mundial de 2,5% este ano e uma ligeira aceleração para 2,9% em 2017, a Fitch diz que, no caso do Brasil, "a mais recente revisão em baixa reflete a incerteza política crescente e o seu impacto na confiança, deteriorando o mercado laboral e as condições de crédito, bem como o aperto pró-cíclico da política económica ao longo de 2015".

Na opinião da Fitch, "a descida reflete a visão segundo a qual a economia vai demorar mais tempo a recuperar devido à continuada incerteza política, confiança deprimida e ventos contrários externos mais fortes, que resultam do declínio do preço das matérias-primas, a continuada volatilidade financeira internacional e o abrandamento da China".

Lembrando que o consumo e o investimento "devem contrair-se ainda mais em 2016", a Fitch escreve que "o aumento da taxa de desemprego e as dificuldades de crédito vão limitar o consumo, ao passo que as incertezas políticas e as pobres perspetivas para a procura vão fazer com que o investimento caia significativamente em 2016".

A inflação, diz, deve abrandar, mas "deverá ficar acima da taxa do banco central", que aposta numa inflação de 4,5% com uma oscilação de dois pontos para cima ou para baixo - em janeiro a taxa estava nos 10,7%.

Lusa

  • Marcelo promete entregar carta de menina com paralisia cerebral ao primeiro-ministro
    3:05

    País

    O Presidente da República está preocupado com os cuidadores dos cidadãos que precisam de cuidados paliativos. No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinalou este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa visitou a Casa do Tejo, em Algés, onde três famílias de crianças com paralisia cerebral e outros problemas de saúde são recebidas em conjunto com os pais para que toda a famíla possa receber apoio de técnicos especializados. O Presidente recebeu uma carta de uma menina de 5 anos, com paralisia cerebral, e prometeu que a vai entregar ao primeiro-ministro, para que seja aberta uma porta legislativa mais larga para os problemas das pessoas deficientes.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02