sicnot

Perfil

Economia

Fitch piora previsão de recessão no Brasil para 3,5%

A agência de notação financeira Fitch reviu hoje em baixa a previsão de evolução da economia do Brasil, antecipando uma recessão de 3,5% este ano, um ponto percentual pior que nas previsões de dezembro.

"A Fitch reviu a previsão de crescimento do Brasil para -3,5% em 2016 e 0,7% em 2017, quando em dezembro previa uma recessão de 2,5% este ano e um crescimento de 1,2% em 2017", lê-se no relatório sobre as Perspetivas Globais da Economia ('Global Economic Outlook', no original em inglês), hoje divulgado.

No relatório, que antecipa um crescimento mundial de 2,5% este ano e uma ligeira aceleração para 2,9% em 2017, a Fitch diz que, no caso do Brasil, "a mais recente revisão em baixa reflete a incerteza política crescente e o seu impacto na confiança, deteriorando o mercado laboral e as condições de crédito, bem como o aperto pró-cíclico da política económica ao longo de 2015".

Na opinião da Fitch, "a descida reflete a visão segundo a qual a economia vai demorar mais tempo a recuperar devido à continuada incerteza política, confiança deprimida e ventos contrários externos mais fortes, que resultam do declínio do preço das matérias-primas, a continuada volatilidade financeira internacional e o abrandamento da China".

Lembrando que o consumo e o investimento "devem contrair-se ainda mais em 2016", a Fitch escreve que "o aumento da taxa de desemprego e as dificuldades de crédito vão limitar o consumo, ao passo que as incertezas políticas e as pobres perspetivas para a procura vão fazer com que o investimento caia significativamente em 2016".

A inflação, diz, deve abrandar, mas "deverá ficar acima da taxa do banco central", que aposta numa inflação de 4,5% com uma oscilação de dois pontos para cima ou para baixo - em janeiro a taxa estava nos 10,7%.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.