sicnot

Perfil

Economia

Soares da Costa vai despedir 500 trabalhadores

O presidente do Sindicato da Construção de Portugal disse hoje que o anunciado despedimento coletivo de 500 trabalhadores na Soares da Costa avançará nos próximos dias, devendo a comunicação formal por carta aos trabalhadores acontecer a qualquer momento.

"Infelizmente, a pior notícia aconteceu. Na segunda-feira o presidente executivo da Soares da Costa, Joaquim Fitas, ligou-me a dizer que, entre esta sexta-feira e a próxima terça, vai chegar de Angola o dinheiro para avançarem com o despedimento coletivo de 500 trabalhadores, que envolve mais de 15 milhões de euros", afirmou Albano Ribeiro em declarações à agência Lusa.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da construtora não avançou datas concretas, mas confirmou que "o despedimento coletivo já foi anunciado e vai avançar" nas próximas semanas, tal como estava previsto.

"O processo não é para suspender. A reestruturação vai ser feita porque é a única forma de viabilizar a empresa, que não pode continuar a ter cerca de 300 pessoas em regime de inatividade, durante dois anos, a receber em casa sem trabalhar", afirmou.

Anunciado há vários meses pela administração da Soares da Costa, o despedimento coletivo abrangerá 500 trabalhadores, entre os quais os cerca de 300 funcionários que se encontram em regime de inatividade.

Relativamente ao pagamento dos salários, a fonte da construtora disse terem começado agora a ser pagos os vencimentos de fevereiro, com a prioridade a ser dada aos trabalhadores com rendimentos mais baixos.

A este propósito, o presidente do Sindicato da Construção voltou a criticar o que considera ser um "tratamento discriminatório" entre os trabalhadores, já que os que se encontram em Angola contam já com três salários em atraso e os que recebem vencimentos superiores a 1.750 euros há três meses que apenas recebem esta quantia.

"Se não há dinheiro para todos pagava-se, por exemplo, 50%, mas a todos. Porque as obras fazem-se com todos os trabalhadores", sustentou Albano Ribeiro.

O dirigente sindical anunciou ainda que, caso não sejam liquidados em breve os salários de fevereiro, os trabalhadores das obras em curso na Ribeira e no futuro hotel Monumental, ambas no Porto, irão parar.

Por considerar que a administração da Soares da Costa "tem coisas para explicar", o presidente do sindicato diz ter enviado na terça-feira "um pedido de audiência de caráter urgente" ao primeiro-ministro, António Costa, para a qual pretende "convidar trabalhadores e a administração" da empresa.

"Temos que saber se a administração a Soares da Costa se tem apresentado a concursos, porque há por aí obras que estão a avançar e empresas que estão a ganhar concursos", disse, considerando ainda que a manutenção, há dois anos, de 300 trabalhadores em regime de inatividade "parece uma má gestão de recursos".

De acordo com o dirigente sindical, "se não houver uma reação célere da parte do primeiro-ministro", o sindicato irá "marcar um plenário com os trabalhadores para tomar uma decisão, provavelmente de ida a Lisboa, para a porta" de António Costa, "para que ele seja sensível, porque se está a falar de 500 postos de trabalho".

Com prejuízos acumulados superiores a 60 milhões de euros, a Soares da Costa é controlada em 66,7% pela GAM Holdings, detida pelo empresário angolano António Mosquito, que entrou no capital da construtora no final de 2013, sendo os restantes 33,3% da SDC -- Investimentos (ex-Grupo Soares da Costa).

Lusa

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.