sicnot

Perfil

Economia

Soares da Costa vai despedir 500 trabalhadores

O presidente do Sindicato da Construção de Portugal disse hoje que o anunciado despedimento coletivo de 500 trabalhadores na Soares da Costa avançará nos próximos dias, devendo a comunicação formal por carta aos trabalhadores acontecer a qualquer momento.

"Infelizmente, a pior notícia aconteceu. Na segunda-feira o presidente executivo da Soares da Costa, Joaquim Fitas, ligou-me a dizer que, entre esta sexta-feira e a próxima terça, vai chegar de Angola o dinheiro para avançarem com o despedimento coletivo de 500 trabalhadores, que envolve mais de 15 milhões de euros", afirmou Albano Ribeiro em declarações à agência Lusa.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da construtora não avançou datas concretas, mas confirmou que "o despedimento coletivo já foi anunciado e vai avançar" nas próximas semanas, tal como estava previsto.

"O processo não é para suspender. A reestruturação vai ser feita porque é a única forma de viabilizar a empresa, que não pode continuar a ter cerca de 300 pessoas em regime de inatividade, durante dois anos, a receber em casa sem trabalhar", afirmou.

Anunciado há vários meses pela administração da Soares da Costa, o despedimento coletivo abrangerá 500 trabalhadores, entre os quais os cerca de 300 funcionários que se encontram em regime de inatividade.

Relativamente ao pagamento dos salários, a fonte da construtora disse terem começado agora a ser pagos os vencimentos de fevereiro, com a prioridade a ser dada aos trabalhadores com rendimentos mais baixos.

A este propósito, o presidente do Sindicato da Construção voltou a criticar o que considera ser um "tratamento discriminatório" entre os trabalhadores, já que os que se encontram em Angola contam já com três salários em atraso e os que recebem vencimentos superiores a 1.750 euros há três meses que apenas recebem esta quantia.

"Se não há dinheiro para todos pagava-se, por exemplo, 50%, mas a todos. Porque as obras fazem-se com todos os trabalhadores", sustentou Albano Ribeiro.

O dirigente sindical anunciou ainda que, caso não sejam liquidados em breve os salários de fevereiro, os trabalhadores das obras em curso na Ribeira e no futuro hotel Monumental, ambas no Porto, irão parar.

Por considerar que a administração da Soares da Costa "tem coisas para explicar", o presidente do sindicato diz ter enviado na terça-feira "um pedido de audiência de caráter urgente" ao primeiro-ministro, António Costa, para a qual pretende "convidar trabalhadores e a administração" da empresa.

"Temos que saber se a administração a Soares da Costa se tem apresentado a concursos, porque há por aí obras que estão a avançar e empresas que estão a ganhar concursos", disse, considerando ainda que a manutenção, há dois anos, de 300 trabalhadores em regime de inatividade "parece uma má gestão de recursos".

De acordo com o dirigente sindical, "se não houver uma reação célere da parte do primeiro-ministro", o sindicato irá "marcar um plenário com os trabalhadores para tomar uma decisão, provavelmente de ida a Lisboa, para a porta" de António Costa, "para que ele seja sensível, porque se está a falar de 500 postos de trabalho".

Com prejuízos acumulados superiores a 60 milhões de euros, a Soares da Costa é controlada em 66,7% pela GAM Holdings, detida pelo empresário angolano António Mosquito, que entrou no capital da construtora no final de 2013, sendo os restantes 33,3% da SDC -- Investimentos (ex-Grupo Soares da Costa).

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.