sicnot

Perfil

Economia

Utentes dos transportes públicos do Porto contra municipalização

O Grupo de Utentes dos Transportes Públicos do Porto manifestou hoje "preocupação" com a passagem da gestão da STCP para as autarquias, defendendo que a empresa deve continuar "na esfera estatal".

"É com muita atenção e preocupação que acompanhamos este processo. Daí a nossa convicção que o melhor para a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) será a continuidade na esfera estatal, tal como a sua gestão", afirma, em comunicado enviado à Lusa, o Grupo.

Os utentes questionam "a vocação" de algumas das autarquias para a gestão de serviços de transporte de passageiros, lembrando ainda que há municípios que "atravessam processos financeiros de vária ordem", recorrendo ao Programa de Apoio à Economia Local ou a empréstimos para saneamento financeiro.

Considerando que a reversão do processo de subconcessão dos transportes públicos que operam na Área Metropolitana do Porto (AMP) "foi a decisão certa e importante", o Grupo adverte, contudo, que "é fundamental que seja feita a reversão no que diz respeito à reposição do que foi retirado indevidamente" aos utentes, trabalhadores e à própria STCP.

Depois da reversão do processo de subconcessão, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, disse pretender entregar a gestão da STCP às seis autarquias (Porto, Maia, Matosinhos, Gondomar, Valongo e Gaia) servidas pelos autocarros.

Os utentes dizem-se "céticos" quanto a esta intenção do Governo, referindo que a municipalização é "uma ambição de alguns autarcas".

Matos Fernandes adiantou pretender que a partir de 1 de janeiro de 2017 a gestão da operação da STCP seja feita pelas autarquias, mantendo-se nas mãos do Estado a posse da empresa.

As Organizações Representativas dos Trabalhadores (ORT) repudiaram já "qualquer situação que passe pelo risco de ver reduzido e espartilhado o serviço prestado pela STCP, em favor dos operadores privados instalados nos respetivos concelhos" e alertam para a "débil situação financeira das autarquias", que dizem ser "do domínio público".

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.