sicnot

Perfil

Economia

Cerca de 200 trabalhadores do Montepio vão sair em pré-reformas

Cerca de 200 trabalhadores vão sair do Montepio já este mês no âmbito do programa de pré-reformas do banco, que também fechou 40 agências já este ano.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

A redução de custos e o aumento de eficiência da Caixa Económica Montepio Geral faz parte do processo de reestruturação que está a levar a cabo o Conselho de Administração executivo liderado por José Félix Morgado, que entrou em funções no verão do ano passado, que passa por uma diminuição da rede de agências e do número de trabalhadores.

Félix Morgado disse à Lusa que o banco tem um processo de pré-reformas em curso e no final deste mês vão sair cerca de 200 trabalhadores que aderiram a este programa.

Quanto à rede, já em fevereiro foram fechadas 40 balcões e mais deverão ser encerrados até final de junho, sobretudo em zonas em que haja sobreposição de agências, disse também Félix Morgado, recusando adiantar metas.

Segundo as contas de 2015 hoje divulgadas, a Caixa Económica Montepio Geral tinha, no final de 2015, 3.871 trabalhadores, menos 36 do que em 2014. Quanto à rede, existiam 421 balcões em Portugal, menos 15 do que um ano antes.

Estes números referentes a final de 2015 já sofreram então alterações com a saída de cerca de 200 trabalhadores em pré-reforma e do fecho de 40 agências.

O banco Montepio registou prejuízos de 243,4 milhões de euros o ano passado, depois do resultado negativo de cerca de 187 milhões de euros em 2014.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.