sicnot

Perfil

Economia

CGTP convoca jovens trabalhadores para manifestação a 31 de março em Lisboa

A CGTP apelou hoje à participação de "todos os jovens trabalhadores" na manifestação nacional da juventude, organizada pela Interjovem no dia 31 de março, em Lisboa, num protesto contra a precariedade laboral.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos. (Arquivo)

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos. (Arquivo)

MIGUEL A. LOPES / Lusa

Sob o lema "Basta! Não a um futuro de Precariedade! Exigimos Estabilidade!", a CGTP espera que os jovens trabalhadores se juntem à manifestação que vai começar no Largo do Camões e que se vai dirigir à Assembleia da República, em Lisboa.

Em comunicado hoje emitido, a CGTP afirma que a precariedade no trabalho "continua a atingir proporções alarmantes" e adianta que, segundo dados do Fundo de Compensação do Trabalho, desde outubro de 2013 até agora, "mais de 80% do emprego criado foi precário", sendo que, em 2015, "um quinto desses contratos teve uma duração igual ou inferior a dois meses".

Além disso, e em média, os salários pagos a estes trabalhadores em janeiro "situaram-se nos 545 euros líquidos, um valor 30% a 40% mais baixo do que o auferido pelos trabalhadores com vínculo efetivo", refere a central sindical, acrescentando que, "ainda que os mais afetados sejam os que têm menores qualificações, os baixos salários atingem já muitos outros com qualificações elevadas, o que leva também à desvalorização das profissões e carreiras profissionais".

A CGTP estima que existam mais de um milhão de trabalhadores com vínculos precários em Portugal e alerta que se trata de um "número que está a aumentar, atingindo percentagens escandalosas entre os jovens (67,5% entre os menores de 25 anos e 33% no grupo dos 25 aos 34 anos)".

Para a CGTP, "a precariedade associada ao modelo de baixos salários implica uma resposta urgente e determinada dos trabalhadores, das famílias e da sociedade" e, por isso, defende-se que o país precisa de "um modelo de desenvolvimento de valor acrescentado que aposte na estabilidade e segurança no emprego, numa justa retribuição, na valorização das profissões, das competências, das experiências e qualificações".

A central sindical reitera que "este é o tempo de virar a página da política que acentuou as desigualdades e o empobrecimento" e de "lutar pela valorização do trabalho e dos trabalhadores".

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41