sicnot

Perfil

Economia

Petrobras com prejuízo de 8,6 mil milhões de euros em 2015

A Petrobras terminou o ano de 2015 com um prejuízo 8,6 mil milhões de euros (34,9 mil milhões de reais), o seu pior resultado de sempre, segundo balanço divulgado pela empresa na noite de hoje.

© Paulo Whitaker / Reuters

Este foi o pior resultado registado na história da petrolífera brasileira, superando o balanço anual de 2014, quando as perdas somaram 5,2 mil milhões de euros (21,6 mil milhões de reais).

No quarto trimestre, o prejuízo líquido foi de 9 mil milhões de euros (36,938 mil milhões de reais), que compara com as perdas de 6,5 mil milhões de euros (26,6 mil milhões de reais) no mesmo período do ano anterior.

Segundo a companhia, o resultado negativo deve-se ao declínio de ativos e investimentos, principalmente em função da queda dos preços do petróleo e a perda de investimento, que somaram prejuízo de 12,2 mil milhões de euros (49,7 mil milhões de reais).

"A queda (do barril) brent impactou negativamente o resultado da companhia, devido ao reconhecido de perdas por 'impairment'. A desvalorização cambial também exerceu influência negativa, afetando o resultado financeiro", frisa a empresa no balanço divulgado ao mercado.

O Ebitda ( "Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização ) ajustado ficou em 18,1 milhões de euros (73.859 milhões de reais) em 2015.

A perda cambial e as despesas de juros causaram um prejuízo de 7,8 mil milhões de euros (32,9 bilhões de reais) no ano passado.

Segundo Petrobras, este resultado (Ebitda) é 25% superior ao alcançado em 2014, tendo sido impulsionado pelos preços mais elevados de diesel e gasolina, além da redução dos gastos com participações governamentais e importações de petróleo e derivados.

Já o endividamento líquido situou-se nos 89 milhões de euros (US$ 100.379 milhões de dólares) resultado 5% inferior ao de 2014.

O prejuízo operacional da petrolífera atingiu montante de 3,4 mil milhões de euros (12,4 mil milhões de reis), dado que indica uma redução de 42% em comparação com 2014.

Em 2015, a empresa investiu 18 milhões de euros (76.315 milhões de reais), valor 12% inferior ao ano anterior.

Lusa

  • "Não partilhei SMS com ninguém"
    0:43

    Caso CGD

    António Domingues afirma que nunca revelou o conteúdo das mensagens trocadas com o ministro das Finanças sobre a entrega das declarações de património ao Tribunal Constitucional. O tema dos SMS foi abordado pelo ex-presidente da Caixa na sequência de uma pergunta do PCP sobre declarações feitas por António lobo Xavier no programa da SIC Notícias "Quadratura do Círculo".

  • "As regras europeias de bem estar animal são dogmas", diz diretor-geral de Veterinária
    1:32

    País

    O diretor-geral de Alimentação e Veterinária considera que as regras de bem estar animal que existem na União Europeia (UE) "parecem configurar uma transfiguração antropomórfica dos animais". Em declarações à SIC, a propósito da exportação de animais vivos para países terceiros, que têm outras regras de abate, Fernando Bernardo defendeu ainda que o método usado em Israel provoca uma insensibilização mais rápida do que o praticada na UE.

  • PAN questiona Governo sobre aposta na exportação de animais vivos para o Médio Oriente
    1:56

    País

    O partido Pessoas-Animais-Natureza lembra que à luz do Regulamento nº. 1/2005 do Conselho Europeu, os estados-membros da União Europeia (UE) devem evitar transportar animais vivos em viagens de longo curso. O deputado André Silva considera, por isso, que "o Estado português está a incumprir o regulamento" ao fomentar estas viagens, numa clara aposta económica em torno da exportação de animais vivos para Israel e outros destinos fora da UE. Para o deputado do PAN, é muito difícil ou "mesmo impossível assegurar o bem estar dos animais" em viagens de vários dias.

  • Trump pensou que presidência "seria mais fácil"

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos Donald Trump afirmou que a Presidência é mais difícil do que pensava e que tem saudades da vida que levava antes, em entrevistas a propósito dos primeiros 100 dias em funções.