sicnot

Perfil

Economia

Credit Suisse despede mais 2000 trabalhadores

O banco Credit Suisse anunciou hoje que vai despedir mais 2.000 trabalhadores este ano, num total de 6.000, para poupar 1.700 milhões de francos suíços, cerca de 1.559 milhões de euros.

© Stefano Rellandini / Reuters

A medida faz parte do plano estratégico do grupo que tem como presidente-executivo, Tidjane Thiam, e que aponta para que o negócio da instituição financeira se deverá centrar na atividade da banca universal privada em detrimento da banca de investimento.

Neste sentido, o grupo aumentou o seu objetivo de cortar nos custos em 2018, para os 3.000 milhões de francos.

O banco Credit Suisse tinha como meta inicial reduzir os custos apenas em 2.000 milhões de euros.

Em 2015, o Credit Suisse registou um resultado negativo de 2.944 milhões de francos suíços, face ao ano anterior.

O Credit Suisse apresentou desde 2008 prejuízos que se deveram aos resultados extraordinários negativos de 3.800 milhões de francos suíços relacionados com a compra, em 2000, do banco de investimento norte-americano Donaldson, Lufkin & Jenrette.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.