sicnot

Perfil

Economia

Portway avança com despedimento coletivo

A empresa de "handling" Portway vai avançar com um despedimento coletivo. No total, vão ser despedidos cerca de 200 trabalhadores, número que representa cerca de 10% da empresa.

(EPA/Arquivo)

(EPA/Arquivo)

EPA

O despedimento irá acontecer nos próximos meses visto que os contratos que tinha com a Ryanair não vão ser renovados.

A notícia foi confirmada pelo Presidente da Ana Aeroportos, dona da Portway.

Segundo o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) Fernando Henriques, o contrato entre a Portway e a Ryanair termina já a 28 de março no caso do Aeroporto de Faro, seguindo-se o Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, a 2 de junho e o de Lisboa a 6 de julho.

O impacto na atividade da Portway será "significativo", disse, uma vez que a Ryanair representa 35% da atividade total da empresa, chegando este peso a ultrapassar os 50% no caso do Aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Conforme explicou, a decisão de denúncia dos contratos partiu da companhia irlandesa após a administração da Portway lhe ter comunicado a intenção de os renegociar em alta, uma vez que nos atuais termos a empresa de 'handling' detida pela ANA (e, por isso, pelo grupo francês Vinci, que adquiriu os aeroportos portugueses ao Estado português) "não ganhava dinheiro".

"Enquanto foi empresa pública, a ANA sempre estimulou (subsidiando de várias formas) a vinda das 'low cost', nomeadamente da Ryanair, e a Portway não ganhava dinheiro no 'handling', mas o grupo ANA acabava por sair a ganhar ao aumentar exponencialmente o número de passageiros e as taxas cobradas" nos aeroportos", afirmou Fernando Henriques.

No caso da Ryanair, precisou, cada voo assistido pela Portway rende atualmente à empresa de 'handling' "cerca de 350 euros, quando o custo da operação não é inferior a 500 euros", pelo que "a Vinci desde o início fez sentir à Ryanair que queria renegociar o contrato para valores em alta".

Contudo, disse o dirigente sindical, a Ryanair não aceitou a renegociação e optou pela denúncia dos contratos, "sentindo que podia fazer no Continente aquilo que faz hoje em Ponta Delgada", numa situação que o Sitava diz ser uma "clara fraude à lei da assistência em escala".

É que, explicou Fernando Henriques, "em Ponta Delgada a Ryanair tem um falso 'selfhandling' (autoassistência), que na prática é assegurado pela Groundlink, que só está licenciada para a assistência a passageiros".

Esta empresa, que ao contrário do que está previsto na lei "não tem qualquer contratação coletiva", presta o serviço à Ryanair por um valor que "ronda os 270 euros" porque "é garantido por trabalhadores que vão lá fazer duas horas por dia e que trabalham duas horas para uma empresa e outras duas horas para outra empresa".

"Já questionámos a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) há alguns meses sobre isto e até hoje não tivemos qualquer resposta", afirmou Fernando Henriques, sustentando que "a Ryanair sente-se confortável [para denunciar os contratos com a Portway] porque está numa república das bananas e não precisa de cumprir a legislação existente, porque o regulador fecha os olhos".

Neste contexto, o Sitava pretende apresentar "ainda esta semana" uma providência cautelar em Faro "no sentido de obrigar a Groundlink e a Ryanair a dizerem qual é o acordo que vão cumprir" e vai promover, dia 23, um debate para o qual convidou os vários grupos parlamentares e a ANAC para discutir "O 'handling' em Portugal -- Que Futuro".

Com Lusa

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24

    Economia

    Milhares de clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que até aqui estavam isentos de qualquer pagamento, vão começar a pagar quase 5 euros por mês por comissões de conta. A medida abrange também reformados e pensionistas e entra em vigor já em setembro. Ainda assim, os clientes com mais de 65 anos e uma pensão inferior a 835 euros por mês continuam isentos.

  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC