sicnot

Perfil

Economia

Governador do Banco de Portugal acumula supervisão prudencial

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, vai ficar com o pelouro da supervisão prudencial, depois de António Varela ter renunciado ao mandato a 07 de março.

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal.

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal.

© Hugo Correia / Reuters

O Diário da República publica hoje uma delegação de competências, segundo a qual o Departamento de Supervisão Prudencial vai ficar com Carlos Costa.

A deliberação especifica que a decisão foi tomada pelo conselho de administração do regulador na reunião de 14 de março.

A Lusa contactou fonte oficial do Banco de Portugal mas esta não quis fazer quaisquer comentários.

António Varela apresentou a 07 de março o pedido de renúncia ao Governo, conforme a lei prevê, segundo um comunicado do regulador bancário então divulgado, que não especifica as razões da saída.

  • Partidos exigem explicações sobre transferências para offshores entre 2011 e 2014

    Economia

    O PS junta-se ao PCP, o Bloco de Esquerda e o PSD no pedido para a audição urgente do antigo e o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais sobre a falta de controlo do Fisco às transferências de dinheiro para paraísos fiscais. Em causa está a transferência de 10 mil milhões de euros para offshores. O CSD é o único partido que ainda não se pronunciou.