sicnot

Perfil

Economia

Low Cost colocam os Açores na moda

O primeiro ano da presença das companhias aéreas de baixo custo nos Açores colocou a região na moda, mas o Governo Regional considera que é preciso continuar a trabalhar para o destino manter a notoriedade.

© Srdjan Zivulovic / Reuters

"Os Açores, neste momento, usufruem de um bom nível de notoriedade que é necessário continuar a trabalhar para manter. Se isso é estar na moda, temos de trabalhar permanentemente para estarmos sempre na moda", disse à agência Lusa o secretário regional do Turismo e Transportes, Vítor Fraga, a propósito da passagem do primeiro ano sobre a liberalização das ligações aéreas entre duas ilhas dos Açores e o continente.

Na terça-feira assinala-se um ano sobre o primeiro voo de uma "low cost" para Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, para onde passaram a voar as companhias Ryanair e a easyJet, que se juntaram à SATA e TAP.

A liberalização contempla as rotas entre Ponta Delgada e Lisboa e Porto, e entre Terceira e Lisboa e Porto, mas nesta ilha continua por executar.

Para Vítor Fraga, a liberalização insere-se num novo modelo de acessibilidades que é "mais vasto" e que, no seu entender, acabou por "trazer benefícios para todas as ilhas, porque consegue criar condições de conjugação entre rotas liberalizadas e rotas sujeitas a obrigações de serviço público".

"Vem proporcionar aquilo que era um dos nossos principais objetivos, criar condições para entrarem novos operadores no mercado e, com isso, [verificar-se] uma redução no custo da acessibilidade", declarou, destacando que, atualmente, "é fácil encontrar passagens a um terço do valor do que era praticado" no passado.

Segundo dados fornecidos pela Secretaria Regional, em 2015 desembarcaram nos aeroportos da região 1,1 milhões de pessoas, mais 21,2% do que no ano anterior.

Já ao nível do alojamento, os Açores registaram o ano passado 1,5 milhões de dormidas no arquipélago, um acréscimo de 22,7% comparativamente a 2014. Estes dados incluem a hotelaria tradicional, o turismo em espaço rural, o alojamento local, colónias de férias, pousadas da juventude e parques de campismo.

Vítor Fraga reafirmou que 2015 "foi o melhor ano de sempre" para o turismo dos Açores, destacando outros efeitos multiplicadores da liberalização.

"Existe um conjunto de novos empreendimentos que irão abrir ainda no decorrer do ano de 2016 ao nível da hotelaria tradicional, o que totaliza 656 novas camas" na região, exemplificou, acrescentando que "existem já, igualmente, pedidos de licenciamento prévio para o ano de 2017 que totalizam 956 camas e isto apenas ao nível da hotelaria tradicional".

O governante admitiu que neste "ano zero" da liberalização das ligações aéreas houve "constrangimentos pontuais", acreditando, contudo, que em 2016 a situação estará ultrapassada.

"Houve situações pontuais de constrangimentos quer do número de lugares, quer de preços muito elevados ao nível da acessibilidade", afirmou Vítor Fraga, convicto de que "este ano esta situação será fortemente atenuada, porque daquilo que é a oferta pública conhecida das várias operadoras que trabalham para a região, há um incremento de 70 mil lugares só no verão IATA (sigla em inglês para Associação Internacional de Transporte Aéreo) em relação ao ano anterior".

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.