sicnot

Perfil

Economia

Governantes, presidente da TAP, compradores e regulador chamados à AR

Os principais intervenientes na privatização da TAP vão ser chamados ao parlamento para prestar esclarecimentos sobre o processo de venda da companhia aérea nacional.

© Rafael Marchante / Reuters

Na sequência do requerimento do Bloco de Esquerda, aprovado hoje por unanimidade, vão ser chamados, do lado dos governos, o antigo ministro da Economia António Pires de Lima, o ex-secretário de Estado dos Transportes Sérgio Monteiro e o atual ministro das Infraestruturas, Pedro Marques, que tem a tutela da transportadora aérea nacional.

Os novos donos da TAP - os empresários David Neeleman e Humberto Pedrosa - também vão ser chamados à comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, bem como o presidente executivo da TAP, Fernando Pinto.

Do ramo da regulação, os deputados querem ouvir o presidente da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), Luís Silva Ribeiro.

Os deputados do CDS-PP Pedro Mota Soares e do PCP Bruno Dias admitiram vir a chamar outros nomes, na sequência das primeiras audições sobre a privatização da TAP.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.