sicnot

Perfil

Economia

No último ano nasceram em Portugal mais de 37 mil empresas

Em Portugal nasceram em 12 meses 37.399 novas empresas, mais 3,3% em termos homólogos, demonstra um estudo da Informa D&B. Por áreas de atividade, destaque para o setor da agricultura, pesca e caça, que em fevereiro deste ano viu o número de empresas e outras organizações aumentarem em 40%, em termos homólogos, seguindo-se as atividades imobiliárias, com um aumento de 38%.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

A Informa D&B, empresa especialista em informação sobre o tecido empresarial, classifica como 'startups' as empresas com menos de um ano de atividade, independentemente do setor, e como jovens empresas as que têm entre um e cinco anos.

Segundo o estudo Barómetro Informa, de março de 2016, entre março do ano passado e fevereiro deste ano, nasceram em Portugal 37.399 'startups' e outras organizações, contra as 36.195 que surgiram no período homólogo anterior.

De acordo com informação da Informa D&B, 2,5% das 'startups' existentes em Portugal com menos de um ano são tecnológicas e 2,4% das empresas jovens são igualmente tecnológicas.

Já as empresas tecnológicas com mais tempo no mercado (a partir dos seis anos) representam 1,8% do universo empresarial.

No que diz respeito às 'startups' em geral, e independentemente do setor, fecharam entre março de 2015 e fevereiro deste ano 15.904 empresas, mais 8,4% face aos 12 meses anteriores.

Contudo, as insolvências estão a reduzir-se e, naqueles 12 meses, houve menos 8% de empresas a falir, num total de insolvências de 4.052, segundo os dados da Informa D&B.

Por áreas de atividade, destaque para o setor da agricultura, pesca e caça, que em fevereiro deste ano viu o número de empresas e outras organizações aumentarem em 40%, em termos homólogos, seguindo-se as atividades imobiliárias, com um aumento de 38%.

Ainda assim, é o setor dos serviços que mantém a liderança no que diz respeito ao número de empresas e outras organizações, que atingiram em fevereiro cerca de 154 mil.

Por distritos, no mesmo mês, Lisboa liderava, ao concentrar perto de 122 mil empresas e outras organizações, representando 27,8% do total, seguindo-se o Porto, com cerca de 76 mil, correspondentes a 17,2%, e Braga, com 34 mil novas empresas, significando 7,8% do total.

Apesar de apresentarem números inferiores, destacam-se ainda os distritos de Aveiro, com 27 mil empresas e outras organizações (6,2), Setúbal, com 26 mil (5,8%), Leiria e Faro, ambos com cerca de 21 mil novas empresas (4,7%).

No encalce estão ainda Santarém, Coimbra, Viseu, Funchal, Viana do Castelo e Castelo Branco.

  • Ministra tem condições para ficar?
    1:57
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • Os testemunhos emocionados de quem perdeu quase tudo nos fogos
    2:10
  • A primeira moção de censura ao fim de quase dois anos
    1:42

    País

    O CDS-PP avançou com uma moção de censura ao Governo, perante o que chama de falha do Governo na proteção das pessoas. O PSD apoia a iniciativa. António Costa fala num ato natural da democracia. Esta é a primeira moção de censura que o Governo socialista enfrenta ao fim de quase dois anos de mandato.

  • "Agora é tempo de decidir e executar"
    1:27

    País

    O primeiro-ministro reuniu-se esta terça-feira com os autarcas das zonas mais afetadas pelos incêndios e visitou os feridos, que continuam internados no Hospital de Coimbra. António Costa diz que o tempo das respostas começa agora.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.