sicnot

Perfil

Economia

No último ano nasceram em Portugal mais de 37 mil empresas

Em Portugal nasceram em 12 meses 37.399 novas empresas, mais 3,3% em termos homólogos, demonstra um estudo da Informa D&B. Por áreas de atividade, destaque para o setor da agricultura, pesca e caça, que em fevereiro deste ano viu o número de empresas e outras organizações aumentarem em 40%, em termos homólogos, seguindo-se as atividades imobiliárias, com um aumento de 38%.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

A Informa D&B, empresa especialista em informação sobre o tecido empresarial, classifica como 'startups' as empresas com menos de um ano de atividade, independentemente do setor, e como jovens empresas as que têm entre um e cinco anos.

Segundo o estudo Barómetro Informa, de março de 2016, entre março do ano passado e fevereiro deste ano, nasceram em Portugal 37.399 'startups' e outras organizações, contra as 36.195 que surgiram no período homólogo anterior.

De acordo com informação da Informa D&B, 2,5% das 'startups' existentes em Portugal com menos de um ano são tecnológicas e 2,4% das empresas jovens são igualmente tecnológicas.

Já as empresas tecnológicas com mais tempo no mercado (a partir dos seis anos) representam 1,8% do universo empresarial.

No que diz respeito às 'startups' em geral, e independentemente do setor, fecharam entre março de 2015 e fevereiro deste ano 15.904 empresas, mais 8,4% face aos 12 meses anteriores.

Contudo, as insolvências estão a reduzir-se e, naqueles 12 meses, houve menos 8% de empresas a falir, num total de insolvências de 4.052, segundo os dados da Informa D&B.

Por áreas de atividade, destaque para o setor da agricultura, pesca e caça, que em fevereiro deste ano viu o número de empresas e outras organizações aumentarem em 40%, em termos homólogos, seguindo-se as atividades imobiliárias, com um aumento de 38%.

Ainda assim, é o setor dos serviços que mantém a liderança no que diz respeito ao número de empresas e outras organizações, que atingiram em fevereiro cerca de 154 mil.

Por distritos, no mesmo mês, Lisboa liderava, ao concentrar perto de 122 mil empresas e outras organizações, representando 27,8% do total, seguindo-se o Porto, com cerca de 76 mil, correspondentes a 17,2%, e Braga, com 34 mil novas empresas, significando 7,8% do total.

Apesar de apresentarem números inferiores, destacam-se ainda os distritos de Aveiro, com 27 mil empresas e outras organizações (6,2), Setúbal, com 26 mil (5,8%), Leiria e Faro, ambos com cerca de 21 mil novas empresas (4,7%).

No encalce estão ainda Santarém, Coimbra, Viseu, Funchal, Viana do Castelo e Castelo Branco.

  • Vem lá chuva

    País

    A chuva vai voltar a Portugal continental a partir de quarta-feira e pelo menos até domingo, enquanto as temperaturas mínimas deverão subir.

  • "O Sporting é o um barco à deriva"
    2:26
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    A crise do Sporting foi o principal tema em O Dia Seguinte, esta segunda-feira. José Guilherme Aguiar censura Bruno de Carvalho por ter convidado Jorge Jesus para a comissão de honra da recandidatura. Já Rogério Alves não tem dúvidas que a contestação tem aumentado de tom devido à proximidade das eleições do Sporting. Rui Gomes da Silva pensa que toda a direção leonina é responsável pelo mau momento atual do clube.

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Violação emitida em direto no Facebook

    Mundo

    Três homens foram detidos na Suécia, por suspeitas de violação de uma mulher, num apartamento a 70 quilómetros da capital. Os suspeitos filmaram o ato de violência e exibiram-no em direto no Facebook.

  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.