sicnot

Perfil

Economia

CMVM suspende negociação das ações do BPI

A negociação das ações do BPI na bolsa portuguesa está suspensa “até à divulgação de informação relevante”, anunciou a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esta manhã. O regulador quer esclarecimentos sobre o acordo entre o CaixaBank e Isabel dos Santos.

© Rafael Marchante / Reuters

A suspensão da negociação ocorre um dia depois de ter sido anunciado um acordo entre a o CaixaBank e a Santoro Finance para resolver a "situação de incumprimento pelo banco BPI do limite de grandes riscos", segundo anunciou o banco na noite de domingo numa comunicação à CMVM.

Segundo o comunicado divulgado na página da internet da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, a "solução foi já comunicada ao Banco Central Europeu e ao Banco de Portugal e encontra-se vertida num conjunto de documentos contratuais que serão apresentados aos órgãos competentes nos próximos dias e que, tão logo sejam aprovados, serão comunicados ao mercado". O comunicado não indica a solução encontrada.

Desde há algumas semanas que o espanhol Caixabank, com 44,10% do capital social do Banco Português de Investimento (BPI), e a 'holding' Santoro, da empresária angolana Isabel dos Santos, com 18,58%, estavam em negociações para desbloquear o impasse neste assunto, depois de várias soluções que falharam, devido a divergências entre as partes.

Os principais acionistas do BPI tinham até hoje para chegar a um acordo que cumprisse o prazo estipulado pelo Banco Central Europeu (BCE) para o banco reduzir o excesso de exposição a Angola.

Este acordo era necessário uma vez que o BCE considera Angola como um dos países que não têm uma regulação e supervisão semelhante às existentes na União Europeia, pelo que o BPI tinha de ajustar a sua exposição naquele mercado.

A operação em Angola é a 'joia da coroa' do BPI: em 2015, mais de 50% do lucro do banco veio do país africano, ou seja, 135,7 milhões de euros de um total de 236,4 milhões.

Se não houvesse acordo até hoje, o BPI seria multado pelo BCE, pagando coimas diárias, até que chegasse a uma solução que cumprisse as exigências do banco central.

Com Lusa

  • "BPI vai passar a estar em condições de concorrer à compra do Novo Banco"
    0:42

    Opinião

    "É uma ótima notícia para Portugal, o BPI vai passar a estar em condições de concorrer à compra do Novo Banco", considerou Luís Marques Mendes no habitual comentário no Jornal da Noite na SIC. O acordo entre a empresária angolana Isabel dos Santos e CaixaBank foi fechado na sequência de uma reunião que decorreu este domingo entre os acionistas do BPI. Marques Mendes felicitou o entendimento.

  • Isabel dos Santos chega a acordo com o Caixabank

    Mundo

    A empresária angolana Isabel dos Santos acaba de chegar a acordo com os espanhóis do Caixabank para a saída do capital do BPI. O Caixabank reforça e assume o controlo do banco português. Isabel dos Santos assume o controlo do banco BFA. As negociações foram fechadas este sábado com o acordo dos reguladores do mecado de capitais e do setor bancário.

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.