sicnot

Perfil

Economia

Governo prevê ajudar produtores de leite com 30 a 40 euros por animal

O Governo prevê pagar, a partir de outubro, 30 a 40 euros por animal aos produtores de leite como ajuda pelos prejuízos causados pelo fim do sistema de quotas na União Europeia, adiantou hoje o secretário de Estado da Agricultura.

Esta tarde, à margem de uma conferência sobre que desafios o setor leiteiro enfrenta com a liberalização do mercado, a decorrer em Vila do Conde, Luís Medeiros Vieira, apontou ainda o mês de maio como data para a abertura de uma linha de crédito de 20 milhões de euros para ajudar explorações agrícolas.

"O Governo, numa posição de solidariedade, deferiu um conjunto de medidas entre as quais a isenção do pagamento de Segurança Social em 50% de abril a dezembro (nove meses), uma linha de crédito de 20 milhões dividida numa parte para fundo de maneio, com um ano de carência, e outra para restruturação da dívida, a seis anos com um ano de carência e uma ajuda modelada por animal", lembrou o governante.

Questionado sobre aquela ajuda modelar, Luís Medeiros Vieira explicou que o montante ainda terá que ser calculado mas que começará a ser pago em outubro.

"Será uma ajuda calculada com base nos excedentes do 1º pilar da Política Agrícola Comum, cujo apuramento final é no final do mês de maio, mas será de oito milhões de euros", disse, apontando um montante "entre 30 e 40 euros" a pagar por animal.

O secretário de Estado com a pasta da agricultura apontou ainda o dedo à União Europeia, reafirmando a necessidade de se rever o fim do sistema de quotas de produção no espaço europeu e a liberalização do mercado.

"Consideramos que este é um problema sobre o qual a União Europeia tem que ter um ponto de vista e postura mais solidária com os produtores de leite e perante uma situação em que se começa a verificar que se devia analisar com mais cuidado o sistema que existia, que controlava o mercado e não exigia muito o dispêndio de verbas por parte da União Europeia", disse.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.