sicnot

Perfil

Economia

Preço oferecido pelo CaixaBank para controlar BPI é baixo, consideram analistas

Os analistas consideram baixo o preço oferecido pelo CaixaBank para controlar o BPI, na OPA hoje anunciada, que só avança com desblindagem de estatutos, e esperam que as ações do banco voltem a negociar em breve.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

"O preço é bastante inferior àquele que foi oferecido no ano passado. Tomarem como exemplo o fecho de cotação dos últimos seis meses parece-me pouco justo", disse à Lusa o analista Pedro Santos, do XTB, embora referindo que no último ano houve uma perda considerável de valor dos ativos do setor bancário na Europa.

Ainda assim, o analista diz acreditar numa revisão em alta do valor oferecido por ação, de 1,113 euros, o que avalia o BPI em 1.600 milhões de euros, abaixo dos 1.900 milhões de euros da Oferta Pública de Aquisição (OPA) que o banco espanhol lançou no ano passado. Na altura, ofereceu 1,329 euros por cada título, o que valorizava a instituição liderada por Fernando Ulrich em perto de 1.900 milhões de euros.

No mesmo sentido, o analista André Rodrigues, do Caixa - Banco de Investimento, refere que o valor proposto pelo banco catalão para assumir o controlo do BPI é "7,3% inferior à atual avaliação" que o Caixa BI atribui e também "6,5% inferior ao último preço de fecho das ações" (1,19 euros).

Para Albino Oliveira, da Fincor, este preço revela uma posição de força do CaixaBank e deixa a decisão sobre a OPA aos pequenos acionistas, "sobre se aceitam participar nestas condições".

Isto porque, como o CaixaBank (que detém 44,10% do BPI) coloca como condição de sucesso da OPA ter mais de 50% do capital do banco (50% mais uma ação), só precisa de comprar mais 5,9% do capital para a oferta ter êxito.

No entanto, antes disso há outra condição imposta pelo CaixaBank para a OPA ir avante: o fim da blindagem de estatutos. Atualmente, nenhum acionista do BPI pode votar com mais de 20% dos votos, pelo que apesar de o banco espanhol ter 44,10% do capital está limitado na sua ação, ficando assim numa situação semelhante à da angolana Santoro, segunda maior acionista do BPI, que tem 18,58% do banco.

No entanto, como lembram os analistas, mesmo que a desblindagem de estatutos não seja aprovada em assembleia-geral (uma vez que essa alteração exige a aprovação por um mínimo de 75% do capital), tal deverá acabar por acontecer através do diploma que o Governo aprovou na semana passada e que o Presidente da República já promulgou.

Este diploma torna os diretos económicos equivalente aos diretos de voto, o que "aumentaria (a confirmar-se) de forma significativa a probabilidade de sucesso desta oferta", segundo André Rodrigues.

Quanto às ações do BPI, que hoje continuam suspensas de negociação em bolsa pela sexta sessão consecutiva, os analistas acreditam que devem voltar a ser transacionadas em breve.

Na semana passada, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) suspendeu os títulos enquanto aguardava mais detalhes sobre o princípio de acordo entre CaixaBank e Santoro, para reduzir a expoisição do BPI em Angola (nomeadamente os 50,1% que detém no Banco Fomento Angola), que no domingo ficou sem efeito.

"Agora é preciso que a ação volte a transacionar. Poderá estar para breve", antecipa Albino Oliveira, da Fincor.

Os analistas estimam que, quando os títulos do BPI voltarem a negociar na bolsa de Lisboa, o seu valor se aproxime do oferecido pelo CaixaBank (1,113 euros por ação).

A imprensa refere que a Santoro, de empresária Isabel dos Santos, 'rompeu' o acordo depois de o Banco de Portugal não ter dado a idoneidade aos novos órgãos sociais do BIC Portugal, banco em que é um dos acionistas de referência, nomeadamente a Jaime Pereira como presidente executivo. Já o registo de idoneidade de Isabel dos Santos e de Fernando Teles como administradores não executivos ainda estará em análise.

Quanto à solução para a exposição a Angola, os analistas apontam que -- caso a OPA tenha sucesso -- tal poderá passar pelo 'spin off' dos ativos africanos, ou seja, a solução inicialmente pensada de criação de uma nova sociedade que agregue ativos do banco em Angola ou a venda pelo BPI de parte da sua posição no BFA.

Lembram que a OPA obrigará à integração do BPI no Caixabank, diluindo o investimento do BFA num grupo de dimensão maior.

Lusa

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.