sicnot

Perfil

Economia

Ministro das Finanças é hoje ouvido no parlamento

O ministro das Finanças, Mário Centeno, é ouvido hoje no parlamento e os programas de Estabilidade e Nacional de Reformas, que vão ser discutidos na Assembleia da República na próxima quarta-feira, devem marcar o debate.

Mário Centeno, ministro das Finanças

Mário Centeno, ministro das Finanças

© Rafael Marchante / Reuters

De manhã os deputados ouvem o Conselho de Finanças Públicas. À tarde, a Comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa ouve Mário Centeno.

Os números da execução orçamental até março e a existência de um eventual plano B também deverão marcar o debate.

Até ao final do mês, o Governo deverá submeter os programas de Estabilidade e Nacional de Reformas à Comissão Europeia.

  • Ministros Finanças da UE querem sistema de troca de informações contra evasão fiscal
    2:13

    Panama Papers

    Os ministros das Finanças dos 28 estados-membros da União Europeia estiveram hoje reunidos em Amesterdão para discutir o escândalo Panama Papers. Da reunião saiu a ideia de um sistema de troca automática de informações para combater a evasão fiscal. Antes houve reunião do Eurogrupo, para discutir a Grécia, o caso português só ser analisado em Junho. O encontro ficou marcado por uma gafe a envolver o nome de Mário Centeno.

  • Programa de Estabilidade português foi aprovado
    2:50

    Economia

    Já foi aprovado o Programa de Estabilidade que traça o rumo das contas do país até 2020. É previsto que a economia cresça menos do que se esperava, mas no final do ciclo, Portugal vai conseguir atingir um excedente orçamental. O ministro das Finanças Mário Centeno frisa que não estão previstos aumentos nos impostos nem cortes salariais. Mário Centeno acredita que a estratégica desenhada terá luz verde de Bruxelas.

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.