sicnot

Perfil

Economia

Receita com imposto sobre combustíveis dispara 50% em março

As receitas com o Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) dispararam 50% em março, o primeiro mês completo em que vigorou este imposto. De acordo com o relatório de execução orçamental divulgado ontem, o Estado arrecadou 241 milhões de euros com o imposto em março, mais 80 milhões do que tinha conseguido um ano antes.

(SIC/Arquivo)

(SIC/Arquivo)

Em fevereiro, as receitas tinham sido de 170 milhões. O novo imposto fez acrescer 6 cêntimos ao preço da gasolina e do gasóleo. A receita fiscal no mês de março também foi ajudada por um pequeno aumento no consumo de combustíveis.

Em meados deste mês, no final de uma reunião com as associações que representam as empresas de transporte de mercadorias (a ANTRAM e a ANTP), o ministro-Adjunto, Eduardo Cabrita, disse que foi analisada a evolução dos preços dos combustíveis, tendo em conta uma primeira atualização do ISP em maio, adiantando que "se fosse hoje, haveria uma descida", mas que será feita uma avaliação "nas próximas semanas".

O ministro optou, contudo, por destacar a criação de "uma redução significativa" no preço dos combustíveis para transportadores de mercadorias em postos de gasóleo profissional em três zonas do interior: na fronteira com Espanha, na zona de Elvas, Vilar Formoso e numa terceira zona, a definir, no norte do país. Um assunto que entretanto tem sido alvo de debate e negociação entre as partes interessadas.

Com Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43