sicnot

Perfil

Economia

Caixabank confia na continuidade de Fernando Ulrich no BPI

O Caixabank reafirmou hoje, após o chumbo dos acionistas do BPI à recondução do presidente-executivo Fernando Ulrich, que "confia na sua continuidade à frente do BPI", para "consolidar a posição" do banco no mercado português.

Jo\303\243o Relvas

Numa nota enviada à agência Lusa, o Caixabank indicou que "confia na sua continuidade à frente do BPI", para "manter o programa de melhorias e consolidar a posição do Banco como uma entidade eficiente, sólida e rentável, no contexto do setor financeiro da Europa".

O Caixabank anunciou que iria lançar uma OPA sobre o BPI na semana passada, pretendendo chegar a 70% do capital (atualmente detém 44,1%), pelo que em caso de êxito teria maioria de votos para aprovar a continuidade de Fernando Ulrich na presidência-executiva.

Os acionistas do BPI chumbaram hoje as alterações dos estatutos que permitiriam a recondução de Fernando Ulrich na presidência executiva e possibilitariam ao Conselho de Administração decidir aumentos de capital por entradas em dinheiro até 500 milhões de euros.

Em conferência de imprensa no final da assembleia-geral (AG) anual de acionistas, que decorreu esta manhã no Porto, o presidente do banco, Artur Santos Silva, adiantou que a proposta de alteração de estatutos que visava alterar a regra que proíbe a escolha para a Comissão Executiva dos membros do Conselho de Administração que, à altura da nomeação, tenham idade igual ou superior a 62 anos, foi chumbada por não ter sido atingida a maioria qualificada legal de 66,67% dos votos expressos (votaram a favor 63,68% dos votos expressos).

Esta regra impede, assim, a manutenção de Fernando Ulrich como presidente executivo após o final do atual mandato, já que completou 64 anos no passado dia 26 de abril.

O Caixabank votou a favor da continuidade de Ulrich.

Horas antes da AG do BPI, na conferência de apresentação de resultados do primeiro trimestre, o administrador-delegado do Caixabank elogiou Fernando Ulrich e a sua equipa, destacando o bom trabalho do gestor do banco português.

"Temos estado a colaborar e a apoiar o BPI durante este o OPA e a negociação sobre o excesso de risco em Angola, portanto é uma entidade que conhecemos muito bem. Conhecer o banco implica também conhecer a equipa gestora, a equipa diretiva. Confiamos na equipa, acreditamos que têm feito um bom trabalho e isso, sem dúvida, também torna atrativo o BPI para nós", disse Gonzalo Gortázar.

O responsável acrescentou que com o Caixabank a tomar "o controlo" poderão "gerar sinergias e trabalhar conjuntamente com o BPI".

"No BPI há excelentes profissionais e contamos com eles", salientou.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.