sicnot

Perfil

Economia

Supremo volta a confirmar jurisdição inglesa para swap do Santander

O Supremo Tribunal de Justiça rejeitou o recurso da Sociedade de Desenvolvimento do Norte da Madeira, que pretendia julgar nos tribunais portugueses um contrato swap celebrado com o banco Santander, voltando a confirmar a jurisdição inglesa.

© Andrea Comas / Reuters

O acórdão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), a que a Lusa teve acesso, confirma a decisão anteriormente tomada pelo Tribunal da Relação de Lisboa que estabelecia os tribunais ingleses como os adequados para a apreciação da validade do referido contrato.

A decisão surge depois de outras deliberações semelhantes, todas relativas a empresas públicas madeirense, que afirmam a incompetência dos tribunais portugueses para apreciar os litígios que opõem estas sociedades ao Banco Santander.

O STJ já tinha anteriormente rejeitado os recursos da Sociedade de Desenvolvimento Porto Santo e da Sociedade Ponta Oeste.

Na deliberação, o Supremo conclui que "os contratos de 'swap' (contratos derivados) celebrados pelas partes, uma exigência da moderna atividade bancária e empresarial sustentada na ideia de que cada vez mais as previsões económicas se tomam inalcançáveis, são eles próprios intrinsecamente caracterizados como ajustes de natureza internacional, conotados com a ligação a outro Estado-Membro - são contratos de cariz internacional, redigidos em inglês, sujeitos a lei inglesa, com terminologia anglo-saxónica - e de molde a caracterizarem a 'estraneidade' estabelecida pelo art.º 23.º da Convenção de Bruxelas".

A Sociedade de Desenvolvimento do Norte da Madeira pretendia que fossem declarados nulos contratos de 'swap' celebrados com o Santander e que lhe fossem restituídos 2.809.662,49 euros, acrescidos de juros de mora.

Lusa

  • Governo recusa pagar prejuízos dos swap ao Santander

    Economia

    O Governo recusa-se a pagar os prejuízos causados ao Santander no caso dos swaps. O Ministério das Finanças diz que a sentença de Londres "carece de reconhecimento por um tribunal português". Por isso, o Ministério tutelado por Mário Centeno diz que até tal acontecer, não vai pagar.

  • Contratos Swap penalizam défice nos próximos 11 anos

    Economia

    O défice português vai ser penalizado pelos contratos Swap, durante mais de uma década. De acordo com a Unidade Técnica de Apoio Orçamental, o pagamento até pode ser feito agora mas o impacto no défice é distribuído nos próximos anos até à data de maturidade dos contratos, ou seja até 2027.

  • Cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se em Lisboa
    3:55

    Economia

    Perto de cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se esta sexta-feira, em Lisboa. Os números são avançados pelos sindicatos. Os trabalhadores contestam a transferência de funcionários para empresas parceiras da Altice e outras empresas do grupo, sem as mesmas garantias e direitos. A Altice garante que as transferências são legais mas alguns funcionários já levaram o caso a tribunal.

  • Uma viagem aérea pela Lagoa Negra
    1:02
  • Videovigilância regista impacto de sismo na Grécia

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6.7 atingiu na quinta-feira o mar Egeu e causou pelo menos dois mortos e mais de 200 feridos. O momento e o impacto causado pelo abalo foram registados através de uma câmara de videovigilância de um café, na ilha grega de Kos, um dos locais mais afetados.

  • A sátira a Sean Spicer no Saturday Night Live
    1:36

    Mundo

    O estilo de Sean Spicer foi controverso desde o início. A relação conflituosa do ex-assessor da Casa Branca com os jornalistas foi muitas vezes satirizada na comunicação social. Um exemplo é um momento do Saturday Night Live, protagonizado pela atriz Meliissa McCarthy.

  • Músico indiano toca guitarra durante cirurgia ao cérebro

    Mundo

    Abhishek Prasad foi submetido a uma cirurgia ao cérebro esta quinta-feira, num hospital na cidade indiana de Bangalore, após anos e anos a sofrer de dolorosos espasmos nas mãos. O insólito do caso foi que o músico indiano teve de tocar guitarra para ajudar os médicos durante a intervenção cirúrgica.